Não me importo com o que outros fotógrafos pensam

Se importar com o que os outros pensam da sua fotografia pode acabar com sua carreira

Essa semana li essa afirmação da renomada fotógrafa americana Kelly Brown, que me causou certa perplexidade e uma reflexão mais minuciosa sobre o quanto os fotógrafos se importam com a opinião de outros fotógrafos e quanto isso afeta o desenvolvimento de sua carreira.

“Não me importo com o que os outros fotógrafos pensam do meu trabalho”, disse ela. “Meus clientes adoram, e isso é tudo que importa para mim, porque são eles que pagam minhas contas. Não me importo com o que os outros fotógrafos pensam. Eu costumava me preocupar. Hoje, eu não faço mais isso”, disse Kelly, uma das fotógrafas de recém-nascidos mais importantes do mundo.

A renomada fotógrafa Kelly Brown diz que não se importa mais com o que os outros fotógrafos acham do seu trabalho

Depois de ler isso, me veio a mente conversas com vários fotógrafos e fotógrafas aqui no Brasil em workshops, congressos e conversas diárias, que carregam nos ombros o peso da opinião do que seus colegas pensam ou podem pensar sobre seu trabalho. A partir daí, esses fotógrafos, se importam mais em conseguir a aceitação ou a aprovação dos colegas ao invés de focar no aprimoramento do seu trabalho e no aumento da satisfação de quem é realmente importante para sua fotografia: o seu cliente.

Se importar com o que os outros pensam da sua fotografia pode acabar com sua carreira

Muitos se preocupam tanto com o que os colegas podem achar de suas fotos que acabam desistindo da carreira ou de determinados trabalhos porque não se acham bons o suficiente em comparação ao trabalho dos outros fotógrafos. É verdade que muitos fotógrafos conseguem lidar tranquilamente com o julgamento e comparações constantes, às vezes diárias, de outros colegas pelas redes sociais, grupos de whatsapp, etc.

Porém, uma parcela significativa de fotógrafos, não consegue avançar na carreira, ter mais confiança no seu trabalho, simplesmente por se importar demais com a opinião de outros fotógrafos ou ficar frequentemente se comparando com eles.

Se eu me importasse com a opinião dos outros não teria feito nada na minha carreira

Se você está se sentindo assim também, queria deixar algumas sugestões com base na minha experiência de mais 25 anos de carreira, quase 100 mil livros vendidos, organizado e criado mais de 50 congressos de fotografia para mais de 25 mil fotógrafos, ministrado mais de 400 workshops, editado mais 30 livros, trabalhado com mais de 300 palestrantes e ter sido consultor do Detetive Virtual, do Fantástico, por alguns anos.

Se em apenas um desses projetos eu tivesse me importado com a opinião, geralmente negativa dos outros, jamais eu teria feita um desses projetos. Repito: se eu tivesse ouvido os outros, ao invés de seguir minha intuição, não teria feito escrito nenhum livro, não teria criado nenhum congresso, não teria dado nenhum workshop. Por isso, digo: acredite em você, acredite no seu esforço, acredite no seu trabalho. Eles te levarão pra frente e rumo aos teus objetivos.

A Fátima Bernardes me chamou para fazer alguns programas

Se vai dar certo ou errado, não importa, desde que você possa fazer suas escolhas

Em 2007, quando falei para meu ex-sócio e um fotógrafo que viajava comigo dando workshops, que eu queria fazer um congresso de fotografia de estúdio em São Paulo, na época, inédito no Brasil, ambos olharam pra mim e disseram: Alta, isso não vai dar certo. Eu não quis nem saber! Disse para meu sócio que se o congresso desse prejuízo, a minha parte na sociedade seria usada para pagar as contas. Advinha?

O teatro tinha 750 lugares, três semanas antes da data marcada para o congresso acontecer todas as vagas estavam esgotadas e mais de 200 pessoas deixaram o nome numa lista de espera na esperança de alguém desistir para conseguir uma vaga. Depois desse congresso, criei e organizei mais de 50 eventos por todo o Brasil para ajudar mais de 25 mil fotógrafos.

Congresso Semana da Fotografia

E se desse errado? Para mim, não importa! Se eu fracassar em coisas que eu decidi fazer, terei forças para me levantar e tentar novamente. Desde que a escolha seja minha não importa se dá certo ou errado, eu sempre vou fazer o meu melhor e lutar com unhas e dentes por minhas escolhas me levarem onde quero.

Na minha carreira inteira, apenas duas vezes eu me importei com a opinião dos outros, e são as únicas coisas que me arrependo até hoje. A vida é minha, a vida é sua. Então, devemos é justo que possamos escolher o nosso caminho. Então, Altair você não ouve o conselho de outras pessoas? Não só ouço, como gosto de ouvir a experiência das outras pessoas. Mas, a decisão de fazer ou não as coisas é com base nas minhas intuições e percepções, nos meus valores de vida, nos meus princípios, nos meus sonhos, nas minhas ambições.

Compare você com você mesmo

Ninguém vive dentro de você para sentir o que você sente ou enxergar o que você vê. Por isso, não compare suas fotos com os colegas. Cada um está num momento diferente da carreira, cada fotógrafo quer transmitir mensagens diferentes com suas fotos, uns entendem a fotografia apenas como um negócio, outros entendem a fotografia como uma paixão e forma de viver e se expressar.

Então, se comparar ou se importar com a opinião dos outros colegas não é justo com você. Afinal, você e seu trabalho são únicos e é por isso que os clientes vão te contratar. Eles querem a sua visão, a sua forma de ver o mundo. Não seja um clone da opinião dos outros, não viva a sua vida com base na opinião dos outros. A vida é sua. A fotografia é sua. Se quiser comparar sua fotografia com alguém, compare com suas fotos de 2, 3 ou 4 anos atrás, aí sim você terá o parâmetro certo da sua evolução da sua fotografia e da sua carreira.

Sobre o autor:

Altair Hoppe é autor da série best-seller dos livros Adobe Photoshop para Fotógrafos, Designers e Operadores Digitais – Volume 1, Volume 2, Volume 3, Volume 4 e do livro Fotografia Digital Sem Mistérios e dos DVDs Photoshop Dicas & Truques – Vol. 1 e Vol. 2. A série de livros e DVDs vendeu quase de 100 mil exemplares em todo o Brasil. Foi membro da National Association of Photoshop Professional – USA, ministra palestras e seminários para universidades e cursos “in company” por todo o país há mais de 17 anos. Seus cursos foram assistidos por mais de 20 mil profissionais, numa série de mais de 400 workshops e 50 congressos. É o criador dos mais importantes congressos de fotografia do Brasil, entre eles o Estúdio Evolution, Wedding Brasil, Semana da Fotografia, Newborn Secrets, PhotoShow, Estúdio Brasil, PhotoWeek, Inside, Nu Photo Conference, Graduation Brasil, Congresso Brasileiro de Fotografia, Profox Conference e Mega Encontro. Foi editor-chefe e responsável pela publicação de mais de 30 livros e 40 DVDs, com foco no ensino técnico de fotografia. Foi consultor do quadro Detetive Virtual, do Fantástico, da Rede Globo, e participou do programa Encontro, com Fátima Bernardes e Roberto Justus +. É diretor da iPhoto Editora – selo que produz livros, DVDs e eventos de fotografia.

Artigos relacionados

2 Comentários

    1. Rafael, que bom que gostou do texto. É uma boa reflexão do Altair Hoppe e tomará que ajuda muitos fotógrafos a ficar livres desse carregar esse peso desnecessário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *