As redes sociais estão arruinando a fotografia?

Atualmente, temos uma paixão coletiva por tecnologia, mas uma compreensão pobre sobre seus efeitos – tanto intencionais quanto não intencionais. Adoramos a conveniência dos smartphones, tanto que estamos dispostos a nos envolver em comportamentos destrutivos, como enviar mensagens enquanto dirigimos ou tiramos selfies em locais arriscados para conseguir mais curtidas e comentários.

Em artigo para o blog PhotoShelter, o fotógrafo Allen Murabayashi discute o papel e o valor das mídias sociais na fotografia. Estariam as redes sociais arruinando a fotografia?

Lembre-se, somos o produto

No podcast Why’d You Push that Button, do portal online de notícias The Verge, a socióloga Katherine Cross explicou a realidade confusa das mídias sociais:

“Você é o produto que está sendo vendido pelo Facebook, Twitter. Ele molda não apenas como usamos as mídias sociais, mas o que fazemos uns com os outros nas mídias sociais. Cria um ambiente onde as pessoas são incentivadas a transformar outras pessoas em conteúdo, porque a moeda das mídias sociais é a atenção. Está recebendo curtidas, seguidores, aumentando o perfil.

Como você aumenta seu perfil de mídia social? Você tem que criar conteúdo. E a natureza das mídias sociais é tal que cria esses incentivos perversos para as pessoas cultivarem umas às outras por conteúdo independentemente do consentimento. Independentemente da ética de fazê-lo, é o que é vendável nessa economia de atenção.”

Em outras palavras, conectar pessoas é o subproduto de um sistema que coleta conteúdo gerado pelo usuário e fornece um incentivo (curtidas e comentários) para que literalmente nos tornemos viciados. Esse vício nos leva a nos comportar de maneiras que muitas vezes desafiam a moral e a ética padrão da educação. Essa realidade é o ponto inicial de qualquer discussão sobre o valor das redes sociais.

Exposição

As mídias sociais criam uma linha direta de comunicação com uma audiência opt-in – tornando os gatekeepers tradicionais menos importantes e menos potentes. Na época da impressão, os gatekeepers eram compostos por uma estreita faixa de publicações – com fotógrafos, editores e editores historicamente brancos – que levavam a um olhar homogêneo.

A publicação digital efetivamente direciona o custo da publicação para zero. Infelizmente, a distribuição não é tão igualitária. Qualquer pessoa com uma página no Facebook está ciente da dinâmica pay-to-play e dos algoritmos que decidem de maneira oposta qual conteúdo é visto.

Porém, vozes que de outra forma seriam marginalizadas, ignoradas e nunca vistas, podem ser acessadas em frações de segundo pela internet. E as mídias sociais permitem uma potencial viralidade. Projetos como as várias encarnações de “@cotidianode(nome do lugar)” tornaram-se importantes para dissipar estereótipos de exotismo e alteridade. Visualizar esta foto no Instagram.                      

Uma publicação compartilhada por Everyday Africa (@everydayafrica) em 12 de Set, 2018 às 11:57 PDT

A capacidade de acumular diretamente uma audiência levou à ascensão da classe de influenciadores. Enquanto os especialistas discutem a ascensão e queda do marketing de influenciadores, está claro que fotógrafos como Chris BurkhardBrandon Woefel e Murad Osmann não teriam construído seguidores tão maciços, o que lhes permite ganhar a vida através da fotografia de formas não tradicionais. Visualizar esta foto no Instagram.                      

Uma publicação compartilhada por MURAD OSMANN (@muradosmann) em 10 de Out, 2018 às 9:15 PDT

O potencial de exposição fornecido pelas mídias sociais significa que podemos notificar instantaneamente nossos seguidores sobre novos trabalhos ou uma nova exposição. Podemos usar prova social (por exemplo, “Seu amigo Amir está indo para este evento”) como uma maneira de prender o interesse de outras pessoas. Essas ferramentas são poderosas e muito convenientes. Não precisamos discutir o contrafactual porque sabemos como era o mundo da mídia pré-social: um cartão postal, um fax, um panfleto e uma oração na esperança de que as pessoas aparecessem.

Gatekeepers

O mundo da arte é um exemplo perfeito de um mundo distorcido de gatekeepers, onde um punhado de galerias determina em grande parte o que é valioso.

O fenômeno é paradoxal. Por um lado, confiamos nos curadores para nos ajudar a filtrar todo o ruído, e um punhado de plataformas para amplificar. Precisamos do que esperamos que sejam especialistas em domínio bem informados para ajudar a curar o mundo. Mas muitos sites usam as mesmas informações para gerar suas próprias listas, levando a uma mesmice frustrante.

Por outro lado, o custo da publicação digital é praticamente zero. Então, para melhor ou pior, todos nós podemos ter uma voz. O comentarista do Washington Examiner, Becket Adams, disse à Vox: “A mídia social nos deu o poder de espalhar o absurdo mais e mais rápido do que nunca”.

Com tudo acessível ao nosso alcance, ainda precisamos de uma maneira de acessar informações. Na web, SEO é a base para a descoberta. As plataformas de mídia social do YouTube ao Facebook e ao Instagram tendem a ser muito menos sofisticadas. Algoritmos ajudam na descoberta (assim como geotags, hashtags, etc). O que você “gosta” influencia o que você vê levando a bolhas de realidade.

Comunidade

A mídia social preencheu o potencial de conectar pessoas diferentes ao redor do mundo em torno de interesses compartilhados. Essa capacidade de construir uma comunidade é verdadeira para os neonazistas, assim como para os fotógrafos de outras áreas.

Do ponto de vista do marketing, a pergunta que os fotógrafos devem fazer sobre a participação nas redes sociais é “Quem é seu público e quem é o público-alvo que você quer?” Se construir um público de mídia social em torno de seu público-alvo não levará a mais trabalho, em seguida, passar horas tentando construir um seguimento é uma proposta duvidosa. Mas para os fotógrafos que vendem gravuras, livros, workshops, etc, ter uma grande mídia social a seguir permite oportunidades de marketing muito baratas.

A comunidade se estende além do marketing porque uma comunidade pode oferecer suporte a um fotógrafo de maneira não financeira. Uma comunidade é resiliente. Uma comunidade está lá para o longo prazo. Você participa, idealmente, como um membro igual de uma comunidade versus um relacionamento de cliente/provedor de serviços. As comunidades de fotógrafos online auxiliam regularmente seus membros com questões de preço, violações de direitos autorais e outras questões comerciais.

Um excesso de fotografias

A mídia social não é responsável pelo excesso de fotografias. Como em todos os campos criativos, o surgimento da tecnologia digital tem impulsionado o custo de produzir conteúdo para frações das contrapartes analógicas.

As mídias sociais contribuem para a uniformidade visual e a degradação ambiental (no Canadá, uma fazenda de girassol foi obrigada a banir fotógrafos após virar a locação favorita de instagrammers). Visualizar esta foto no Instagram.                      

Uma publicação compartilhada por Insta Repeat (@insta_repeat) em 20 de Jun, 2018 às 10:53 PDT

Mas também permite que nichos de fotografia construam comunidades apaixonadas. A astrofotografia, por exemplo, tem se tornado cada vez mais popular nos últimos anos, sem dúvida alimentada pelas fotos da Via Láctea no Instagram. Participar da astrofotografia necessariamente torna o fotógrafo consciente de uma série de fenômenos ambientais e naturais, como céus escuros e fases da lua. Ela gera a venda de equipamentos especializados, desde lentes até tripés.

A capacidade de encontrar inspiração e cultivar a agência criativa através das mídias sociais é enorme.

Pro mídia social

Embora considere que as mídias sociais muitas vezes podem me causar ansiedade desnecessária, Allen afirma que sente-se inspirado pela capacidade de dar voz às minorias. “Quero dizer, todo fotógrafo que quer ir para o seu canto e fotografar insetos, penas de pássaros, cosplay ou comida.

A comunidade que você merece é aquela que você ajuda a construir. Nossa participação nas mídias sociais deve refletir o mundo da vida real no qual gostaríamos de viver. Encontrar inspiração criativa e vozes construtivas e críticas que ajudem a evoluir tanto no negócio quanto no talento artístico da fotografia tornam as mídias sociais uma ferramenta poderosa, mas imperfeita.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *