Fotografia de rua

Se nitidez realmente importasse, Cartier-Bresson seria uma piada

O fotógrafo e fotojornalista Simon King publicou um artigo muito interessante sobre a nitidez em fotografias. Será mesmo necessário sempre ter fotos nítidas? Só fotos nítidas são boas? Disse ele: “Enquanto ministrava um workshop recente, brinquei que a fotografia de rua era o único gênero em que as pessoas compravam US$ 3.000 em câmeras e lentes e as usavam deliberadamente para fazer imagens fora de foco, granuladas e imperfeitas. Isso levou a uma discussão bastante interessante sobre os méritos da imperfeição.

Acho que vale a pena compartilhar alguns desses pontos aqui, pois realmente ajudou a contextualizar algumas das ideias dos alunos sobre seu trabalho, e permitiu que eles fotografassem um pouco mais livremente, perseguindo a perfeição em momentos ao invés de tecnicidades, como a nitidez perfeita da foto.

Um close de “Mãe Migrante” Florence Thompson, de Dorothea Lange


Não poderia citar uma imagem histórica que pudesse ser perfeitamente nítida como é possível criar hoje, mesmo com uma câmera básica e combinação de lentes. Parte disso tem a ver com o filme fotográfico ser um meio inerentemente suave. Até mesmo os filmes modernos mais nítidos; ILFORD Delta, Kodak T-Max, Fujifilm ACROS, nunca irão superar um sensor digital. Quase qualquer foto icônica da história feita em filme fotográfico é mais suave, sem nitidez, do que qualquer imagem feita por um iPhone.

Foto: Henri Cartier-Bresson

Quando apresento uma imagem não estou apresentando nitidez, nem nada mais. Você não vê um histograma ou dados EXIF. Você não vê nada além do que escolhi apresentar visualmente. Na minha opinião, nada mais importa. É uma imagem. Se estiver nítido, se estiver suave, se estiver fora de foco, aceite-o e apenas olhe para o quadro maior – literalmente. Não acho que a nitidez deva ser uma das dez primeiras coisas em que as pessoas pensam ao julgar uma imagem, especialmente em fotos de rua. No entanto, isso se torna diferente se houver expectativas do cliente. Acho que no trabalho de retrato e moda existe um padrão mais alto, e um fotógrafo deve sempre verificar com seu empregador o que é esperado dele.

Um close de “Levantando a bandeira em Iwo Jima”, de Joe Rosenthal, da Associated Press.


Quando apresento uma imagem, sou o dono dessas decisões. Eu pesei o mérito de cada um dos aspectos perfeitos e imperfeitos como eles aparecem aos meus olhos. Se eu excluísse todas as imagens que alguém comentou “isto está fora de foco”, não teria sobrado muito do portfólio. Com a mesma mentalidade, quando vejo uma imagem “suave” de outro artista, normalmente presumo que foi uma decisão, ou permissível pelos padrões deles, e em vez disso procuro ver se funcionou, se a imagem ainda se comunica de maneira eficaz.

Alguns artistas que conheço tomam medidas deliberadas para tornar suas imagens mais suaves, para diminuir a severidade digital. Isso pode ser feito tecnicamente aumentando o ISO, diminuindo a velocidade do obturador ou perdendo o foco deliberadamente. Outras opções podem ser usar algo como um Pro Mist Filter, ou até mesmo vaselina em um filtro UV, o que pode levar a lindos looks sonhadores.

Foto: Henri Cartier-Bresson


Quando se trata de minha própria fotografia, não acredito em nitidez, apenas em fotos nítidas o suficiente. Essa mentalidade me permitiu experimentar mais livremente técnicas como panorâmica ou o uso de assuntos fora de foco. Isso significa que me sinto mais em paz ao fazer a seleção das fotos, já que não estou aplicando decisões técnicas arbitrárias. Estou procurando tudo que funcionou, não tudo que não funcionou.

Nitidez não é algo que eu permito que meus alunos discutam durante o segmento de revisão crítica de meus workshops. Não é algo que eu realmente noto, a menos que esteja procurando especificamente. Se estou olhando para uma imagem, estou olhando primeiro como um todo, depois nos detalhes mais sutis e, depois disso, posso pensar sobre como as coisas foram alcançadas tecnicamente – como a profundidade de campo contribui, ou como um formato de filme pode ter sido usado de forma eficaz. Não descartar as coisas apenas porque um nariz ou orelha está em foco crítico, e não um olho. Simplesmente não importa para mim. Não acho que nenhuma imagem tenha importado por causa de sua nitidez.