A história por trás da foto incrível de um corvo cavalgando sobre uma águia

O fotógrafo Phoo Chan é um renomado especialista em fotografia de pássaros. Suas imagens são amplamente divulgadas em vários sites e revistas, incluindo a National Geographic. Porém, seu trabalho ganhou notoriedade mundial por causa da foto de um corvo que pegou “uma carona” nas costas de uma águia em pleno vôo. A imagem viralizou e foi compartilhada milhões de vezes em todas as redes sociais. Mas como ele fez essa foto incrível? Phoo Chan vai nos contar a história por trás dessa foto e dar algumas ótimas dicas. Primeiro, veja a sequência de fotos que Phoo fez para chegar na imagem perfeita:

Foto: Phoo Chan
Foto: Phoo Chan
Foto: Phoo Chan
Foto: Phoo Chan


“Tudo começou quando vi imagens de cair o queixo de águias americanas em todos os tipos de ações aéreas, tiradas por um amigo fotógrafo da vida selvagem, em Seabeck, em Washington (EUA), em 2013. No ano seguinte, fiz minha primeira viagem a Seabeck, organizada por outro grande amigo fotógrafo, Thinh Bui. Antes da viagem, Thinh pesquisou exaustivamente o melhor momento para fotografar e aproveitar a iluminação do local. As águias definitivamente não nos decepcionaram. Elas atacavam e arrancavam os peixes da água de forma constante. Rolava até brigas e lutas entre águias que tinham peixes em suas garras com as sem. Assim, com essas cenas, todo mundo estava feliz clicando. Como as águias estavam em ação ao longo de toda a praia, cada um de nós seguiu seu próprio caminho em busca de seu alvo. Enquanto eu estava perseguindo uma das águias, cuja atenção total estava na superfície da água para pegar mais um peixe, um corvo se aproximou por trás, acima da águia (veja a composição abaixo).

Em meus cinco anos fotografando pássaros em vôo, testemunhei algumas vezes corvos assediando agressivamente outros animais, mas geralmente formam enxotados facilmente. Foi absolutamente alucinante quando o corvo não pareceu incomodar a águia americana mesmo tão perto e nem a águia americana pareceu se importar com a invasão do seu espaço pessoal pelo corvo. O que foi ainda mais surpreendente foi quando o corvo se empoleirou brevemente nas costas da águia como se estivesse fazendo um passeio panorâmico gratuito e a águia simplesmente obedeceu. Foi um espetáculo para ser visto e fiquei encantado por ter capturado mais de 30 fotos brutas da sequência.

Como de costume, postei minhas fotos no Flickr e 500px e isso não chamou muita atenção até que fui abordado por Michael da Media Drum, que publicou as imagens no Daily Mail News. Para minha surpresa, as imagens viralizaram durante a noite … graças ao poder das mídias sociais. Nunca recebi tal exposição internacional para o meu trabalho antes disso. As imagens foram publicadas em diversos meios de comunicação em mais de 20 países, da América à Europa à Ásia e desde o sul até a Nova Zelândia. Fiquei muito feliz ao ver as imagens compartilhadas e curtidas 36.000 vezes no NatGeo no Facebook.


Muitos fotógrafos não dão valor, mas somos abençoados por ter uma iluminação tão boa nos Estados Unidos em comparação com vários países que visitei, incluindo Costa Rica, Malásia e Cingapura. Uma boa iluminação nos permite ter uma boa configuração de velocidade do obturador para fotografar com as mãos sem um ISO alto. Minha lente principal é a Canon EF600mm f / 4L IS II USM acoplada a Canon 1.4X extender III quase o tempo todo.

Fotografo com a Canon EOS 1DX full-frame e a EOS 7D Mk II com crop. Embora a EOS 1DX produza qualidade de imagem superior do que a 7D Mk II, o alcance extra e a construção superleve da 7D Mk II a tornam o corpo ideal para mim. Tenho filmado minhas cenas de ação principalmente com a 7D Mk II desde outubro passado. Com a combinação da lente e esses dois corpos, por alguns motivos 1 / 1600s parece ser minha configuração mágica de velocidade do obturador e é a mesma velocidade que eu recomendo para quem me pede um conselho. Eu iria mais alto se a iluminação permitir, já que não quero aumentar o ISO.

Capturar boas fotos da vida selvagem exige mais do que entender como seu equipamento funciona. Pegue a foto de troca de comida do papagaio de cauda branca no ar abaixo, por exemplo. Saber o básico de não atirar contra o sol simplesmente não é bom o suficiente. Não só temos que saber a direção do vento, pois a pipa estaria pairando contra o vento, também precisamos prestar atenção quando o macho estará chamando a fêmea. Isso geralmente é quando ele traz comida de volta, e esse é o momento que precisamos para rastrear o macho para garantir que tenhamos os dois focados em um quadro”, ensinou o fotógrafo.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *