Tendência

“Instagram nos odeia”: fotógrafos criticam recentes atualizações e diminuição de 44% no engajamento

O Instagram era a rede social favorita de todos os fotógrafos até as recentes atualizações do aplicativo, que para competir de frente com o TikTok, está privilegiando postagens de vídeos, especialmente os Reels. Porém, nas últimas semanas fotógrafos começaram um forte movimento na internet criticando duramente o aplicativo e as últimas mudanças.

Uma postagem da fotógrafa Inari Briana, que disse que “o Instagram odeia fotógrafos” viralizou e recebeu o apoio e comentários de milhares de fotógrafos. O fotógrafo Glenn Charles respondeu ao tweet de Briana: “O Instagram quer ser o TikTok e agora é uma merda”, ao qual outro usuário concorda: “Não vejo uma postagem de ninguém que eu sigo há meses. Apenas Reels aleatórios.”

As reclamações não são à toa. Segundo um estudo da plataforma de marketing de mídia social Later, que analisou 81 milhões de postagens do Instagram, entre janeiro de 2019 e fevereiro de 2022, revelaram que o engajamento médio de postagens tradicionais com fotos diminuiu 44% desde 2019 a partir da criação e priorização dos vídeos e Reels pelo Instagram.

Shutter Stock Shutter Stock

A indignação dos fotógrafos aumentou nas últimas semanas, quando Instagram intensificou suas ações e testes com recursos semelhantes ao do TikTok. O aplicativo testou, por exemplo, a transformação de todas as postagens de vídeo em Reels e a transmissão de vídeos ao vivo direto dos computadores desktops e notebooks.

A fotógrafa Ashley Nicole reclamou de como o algoritmo do Instagram está restringindo o alcance de suas fotos e favorecendo os Reels. “Passei de alguns milhares de curtidas em cada foto para agora talvez cem. No outro dia só consegui trinta e seis curtidas. Tenho quase vinte e cinco mil seguidores. Não entendo o que está acontecendo”, disse Nicole.

Mas diante dessas mudanças do Instagram, o que fotógrafos podem fazer? Muitos fotógrafos estão diversificando a publicação de seus conteúdos em outras plataformas. A fotógrafa Valerie Robinson compartilhou sua estratégia: “Como fotógrafa, o Instagram é minha plataforma menos favorita. Comecei a me concentrar mais em hospedar coisas no meu site e blog.” O fotógrafo Aaron Ramirez também vai na mesma linha: “É por isso que estou trabalhando para enviar mais conteúdo para o meu site. O algoritmo do Instagram não é mais voltado para fotografia estática.”

Foto de Andrea Piacquadio no Pexels

Apesar de no Brasil ainda poucos fotógrafos usarem com frequência e intensidade o Twitter, o fotógrafo Til Edwards acredita que “a realidade é que você precisa postar Reels para crescer no Instagram”, por isso, agora o Twitter “tem sido o melhor lugar para se estar” para fotógrafos.

Após o alvoroço dos fotógrafos, o chefe do Instagram, Adam Mosseri, tentou voltar atrás em sua fala no ano passado de que o aplicativo “não era mais um aplicativo de compartilhamento de fotos”. Tentando consertar a frase e o estrago entre fotógrafos, agora Adam disse no Twitter: “Para ser claro, eu quis dizer “não somos ‘apenas’ um aplicativo de compartilhamento de fotos”. Apesar de tentar contemporizar, a verdade é que o Instagram abandonou a fotografia. O foco total do aplicativo agora são vídeos.

Em entrevista ao USA Today, a estrategista de mídia social Christina Olivarez explicou por que o foco do Instagram no vídeo não foi bem recebido pelos usuários, que não querem um clone do TikTok. Segundo ela, o algoritmo do Instagram “não está priorizando as pessoas que já seguimos”. Em vez mostrar a postagem de fotos no feed de pessoas que seguimos, o Instagram está simplesmente exibindo Reels aleatórios de perfis recomendados.

Diante desse quadro e caminho irreversível do Instagram se tornar um clone de TikTok com foco total em vídeos, os fotógrafos tem basicamente duas alternativas: ou aderem ao algoritmo do Instagram e transformam todo seu conteúdo em Reels (vídeos) para manter e aumentar o alcance ou mudam de plataforma de conteúdo e investem na publicação de conteúdos nos próprios sites e blogs para atrair o gigantesco tráfego do Google.

Ajude o iPhoto Channel

Há mais de 10 anos produzimos diariamente 3 a 4 artigos para você ficar bem informado de forma gratuita. Nunca cobramos qualquer tipo de assinatura. Nossa única fonte de receita são os anúncios do Google Ads, que são exibidos automaticamente ao longo das matérias. É com esses recursos que pagamos nossos jornalistas, webdesigners e custos com servidores, etc. Se puder, nos ajudar compartilhando sempre os conteúdos, agradecemos imensamente. Os links para compartilhamento estão no começo e fim deste post.

Artigos relacionados