As 48 lentes de 400mm que estão ajudando a descobrir novas galáxias

O astrônomo Pieter van Dokkum estava procurando maneiras de estudar galáxias, então começou a utilizar equipamentos com os quais estava familiarizado como fotógrafo amador. Graças em parte a alguns revestimentos óticos avançados, ele e sua equipe de pesquisa têm sido capazes de descobrir galáxias nunca vistas antes.

Em 2011, van Dokkum e seu colega, o professor e astrônomo Roberto Abraham, estavam discutindo maneiras de observar melhor a luz cósmica muito difusa que está espalhada por telescópios tradicionais, como Hubble. Os pensamentos de Van Dokkum voltaram-se para o seu equipamento de imagem de consumidor comum: nada de telescópio superpotente, mas uma câmera fotográfica. Na época, falava-se vem da recém-lançada lente 400mm f/2.8 II da Canon.

A 400 mm f/2.8L II oferece a tecnologia de revestimento SubWavelength Structure Coating (SWC), projetada para minimizar o reflexos (flare) e os fantasmas (ghosting) causados por reflexos secundários entre a superfície do sensor e os elementos da lentes, que podem levar à degradação da imagem significativa em DSLRs.

As câmeras e conectores costumizados para as lentes | Foto: Pieter van Dokkum
As câmeras e conectores costumizados para as lentes | Foto: Pieter van Dokkum

Este tipo de revestimento, teoricamente, ajudar a captar luz suficiente para estudar galáxias com ‘brilho superficial baixo”. E foi isso que Van Dokkum fez. Nos testes, a lente 400mm mostrou-se melhor do que muitos telescópios para este trabalho específico. Então os cientistas resolveram adquirir mais lentes e criar o Dragonfly Telephoto Array, um sistema com 48 lentes para observar o Universo.

Porém, não é uma câmera Canon 5DSR por trás de tudo isso, nem semelhante. Cada lente tem sua própria câmera science-grade CCD de 8 megaíxels, com filtros astronômicos próprios. As câmeras e lentes estão conectadas entre si e há um computador Intel que cuida do processamento e armazenamento de dados. Tudo isso controlado por um computador central que obedece a comandos como “auto observar Marte” e “expor por 900 segundos”.

Um exemplo de foto de uma galáxia em que o equipamento foi utilizado para capturar.
Um exemplo de foto de uma galáxia em que o equipamento foi utilizado para capturar.

O equipamento tem ajudado examinar corpos celestes muito observados, como o Coma Cluster, onde foi capaz de identificar o que a equipe de investigação tem apelidado de “galáxias ultradifusas”. Eles continuam descobrindo mais dessas galáxias com a ajuda do Dragonfly Telephoto Array, e tem como objetivo aprender mais sobre variedade e formação das mesmas.

Fonte: DP Review

Artigos relacionados

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *