Fotografia documental

Projeto fotográfico retrata mulheres que já abortaram e suas razões

Henrietta Levner
Livros de fotografia

O aborto ainda é um dos temas em pauta no mundo. Diversos movimentos vão à frente pela luta a favor da legalização enquanto o outro lado se posiciona contra. A fotógrafa Tara Todras-Whitehill desenvolveu um projeto fotográfico que busca mostrar as mulheres que já abortaram e como essa questão não se trata de uma classe social ou ideologia.

Desenvolvido juntamente com Jennifer Baumgardner há mais de dez anos, o assunto é ainda muito relevante e precisa ser conversado. “Eu queria que a série fosse simples para que a simplicidade dos retratos das mulheres se destacasse. Este não é um problema sem rosto” escreve a fotógrafa ao site Bored Panda.

Todras-Whitehill conta que o objetivo do projeto é gerar debate sobre o assunto entre todas as pessoas, não somente aquelas que se sentem confortáveis ao assunto. “Esta é uma questão que faz parte de todos nós. E falando, e contando nossas histórias, fazemos do aborto um tema menos conflituoso na sociedade americana.”

Florence Rice, 86 anos (na época em que a foto foi tirada), foi criada no sistema de assistência social em Nova York. Ela viu sua mãe apenas um punhado de vezes ao longo de sua infância. Quando ela engravidou como uma jovem solteira na década de 1930, ela decidiu ter o bebê. Alguns anos mais tarde, trabalhando como mãe solteira, ela se viu grávida novamente e sabia que não queria ser como sua mãe, incapaz de cuidar da criança, então ela fez um aborto. Ela teve uma infecção grave depois de seu aborto ilegal e impuro. Em 1969, quando as feministas começaram a falar sobre seus abortos, Florence foi uma das primeiras a fazê-lo. Sua história ressaltou a divisão de classes: mulheres mais ricas têm abortos mais seguros, mulheres mais pobres têm maior probabilidade de acabar em um açougueiro.

Sebastiana Correa, 28 anos (na época em que a foto foi tirada), engravidou como estudante de intercâmbio em Connecticut. Sua mãe é uma ativista pró-vida que administra um orfanato para filhos de mães solteiras no Brasil. Tão assustada quanto Sebastiana, seu primeiro pensamento ao descobrir que estava grávida, foi “graças a Deus estou na América, onde posso fazer um aborto legal”.

Jenny Egan, 25 anos (na época em que a foto foi tirada), foi criada em uma cidade rural de Oregan em uma família Morman. Quando ela tinha 16 anos engravidou do namorado de sexo que não era totalmente consensual. Após o aborto, que realizou sem contar à sua família, seus pais receberam uma carta de um grupo chamado Brotherhood, informando-os sobre seu procedimento. Sua mãe ficou horrorizada e ordenou que ela saísse de casa.

Holly Fritz, 35 anos (na época em que a foto foi tirada), ficou grávida morando em uma casa de estudantes do ensino médio em Buffalo, NY. Ela entendeu que deveria se casar com seu namorado e embarcar em uma vida não muito diferente da de sua mãe, que também engravidou de seu namorado, casou-se e teve Holly. Quando Holly voltou-se para a mãe em busca de conselhos, ficou surpresa por sua mãe ter pedido que ela fizesse um aborto, em vez de um casamento forçado. Holly agora é professora do ensino médio em Nova York, é casada e é mãe de uma criança pequena, Zoe, retratada na foto com ela.

Gloria Steinem, 71 anos (na época em que a foto foi tirada), entrou no movimento feminista no dia em que cobriu o aborto da Red Stockings para a revista New York, e finalmente foi dona do aborto que fizera vários anos antes. Ela descreve seu aborto como a primeira vez que ela agiu em sua própria vida, ao invés de deixar as coisas acontecerem com ela. Ela fez seu aborto quando tinha 22 anos. Gloria fundou várias organizações pró-escolha, incluindo Voters for Choice e Ms. Magazine, e considera a liberdade reprodutiva a contribuição mais significativa da 2ª onda.

Liberty Aldrich e Joe Saunders com seus filhos. Liberty e Joe fizeram um aborto juntos no início do relacionamento, continuaram a relação e tiveram dois filhos quando suas vidas estavam melhor equipadas para recebê-los.

Jennifer e Gillian – Jennifer, 35 anos (na época em que a foto foi tirada), esquerda, jornalista e ativista, escreveu sobre o aborto por mais de uma década. Ela estava frustrada por toda a reportagem sobre o assunto, incluindo a dela, ser um “debate” entre as forças pró-vida e pró-escolha. Ela sentiu que o que estava sendo perdido eram as vozes e rostos das pessoas que fizeram abortos. Em 2003, ela começou a fazer camisetas, cartões de recursos e trabalhar em um filme que colocava os holofotes de volta nas mulheres. Gillian e Jennifer têm sido amigas desde que viveram juntas em Boluder, CO em 1992. Gillian, 36, fez um aborto em 2000 com o homem que mais tarde se tornaria seu marido e com quem ela agora tem uma filha. Ela também é cineasta, e Jennifer pediu a ela para dirigir um filme sobre as histórias de abortos femininos da campanha. Eles colaboraram e o resultado é o filme “Fale fora: eu fiz um aborto”.

Sobre o autor

Eliza Doré

Eliza Doré

Jornalista do iPhoto Channel é formada pela Univali em Comunicação social com ênfase em jornalismo e pós-graduada em Gestão Cultural, estudou fotografia documental em Buenos Aires.

Adicionar um comentário

Clique aqui para postar um comentário