Filmes Fotografia documental

Documentário revela histórias e aprendizado fotográfico de Sebastião Salgado

Sebastião Salgado |Foto: Fernando Frazão
iPhoto Editora

Em função da pandemia do coronavírus, a partir de agora, todos nós fotógrafos também estamos passando por uma transformação na nossa rotina. Os eventos agendados tem sido remarcados ou cancelados e novos clientes, por enquanto, não devem aparecer. Embora a situação seja difícil e preocupante, que foge ao nosso controle, a verdade é que devemos evitar aglomerações e contribuir ao máximo para evitar a expansão do vírus. A recomendação é ficarmos em casa e aproveitar esse tempo para estudar e aprimorar nosso conhecimento na fotografia.

Uma ótima opção para assistir é o documentário “Revelando Sebastião Salgado”. O lançamento ocorreu em 2013, mas as histórias e o aprendizado com esse material é atemporal. A intimidade no documentário aparece de duas maneiras: com as histórias de vida contadas por Salgado, e pela fotografia e imersão na casa do fotógrafo e de sua esposa Lélia Wanick. E é ao abrir a porta para as câmeras que podemos passar a chamá-lo de Tião.

Salgado conta as aventuras de sua carreira e ao longo dessa conversa há muito o que se aprender sobre fotografia. “Eu adoro fotografar, eu adoro ter uma máquina no meu olho, a dinâmica que cria no meu quadro da fotografia, adoro encontrar soluções pra luz, encontrar soluções pra composição, encontrar todas as variáveis que entram no meu quadro fotográfico, nesse momento eu passo a viver de uma maneira muito forte a fotografia, e passo a ter um prazer muito grande com toda a dinâmica criada pela câmera fotográfica” diz o fotógrafo no início do documentário.

Ao apresentar um pouquinho de sua casa Salgado conta sobre o prazer em visitar exposições, e a sua relação com pinturas da escola holandesa. “Eu tenho a impressão que me influenciou muito na maneira de desenvolver a luz, é uma luz que coincidia muito com a luz que eu vi quando era criança no vale do rio doce. tinha uma luz forte o fato de eu ser muito branquinho, eu saia no sol, tinha que sair de chapéu se não meu nariz queimava e feria, então a gente tava sempre meio na sombra, então tudo que a gente olhava era da sombra pra luz, então eu acho que isso desenvolveu uma parte da minha fotografia que é interessante eu…esse domínio da luz, contra a luz. E quase toda a minha fotografia é feita contra a luz.”

O modo como Salgado nos apresenta sua concepção de fotografia vai muito além de técnica. Existe a observação, a filosofia e a imersão no que realmente significa esta arte. É preciso análise dentro do quadro fotográfico, alinhando sentimento e conhecimento, fotografia é literalmente o que Cartier-Bresson disse uma vez. “Fotografar, é colocar na mesma linha, a cabeça, o olho e o coração.”

Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado

PS: texto da jornalista Eliza Doré atualizado pela equipe do iPhoto Channel.

Sobre o autor

Altair Hoppe

Altair Hoppe

Altair Hoppe é CEO da iPhoto Editora. Jornalista, é autor da série best-seller dos livros Adobe Photoshop Vol. 1, Vol. 2, Vol. 3, Vol. 4 e do livro Fotografia Digital Sem Mistérios. Também é autor dos DVDs Photoshop Dicas & Truques – Vol. 1 e Vol. 2. É membro da National Association of Photoshop Professional – USA, ministra palestras e seminários para universidades e cursos "in company" por todo o país. Foi consultor do quadro Detetive Virtual, do Fantástico (Rede Globo) e também participou de alguns episódios do programa Encontro com Fátima Bernardes. É diretor da iPhoto Editora.

Adicionar um comentário

Clique aqui para postar um comentário