Casamento Making-of Técnica

Foto do vestido de noiva: o clichê fundamental

Livro de fotografia

Tem fotos de casamento que são “inescapáveis”. O fotógrafo simplesmente precisa fazê-las, sob pena de estragar o álbum do cliente. Troca de alianças, arremessos de buquê, familiares na igreja etc. Alguns registros, entretanto, são apenas clichês reproduzidos à exaustão por gerações de fotógrafos. No livro A pose perfeita, que acaba de sair no Brasil, o mexicano Roberto Valenzuela cita o “pedido de casamento” como um exemplo acabado de clichê: “A não ser que o pedido esteja realmente acontecendo, a encenação não faz qualquer sentido”, crava o autor.

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Carol Lombardi 2

Algumas fotos, porém, gravitam num hiato entre o clássico (necessário) e o clichê. O que a colocará numa categoria ou noutra é a forma como o fotógrafo resolverá a imagem. Arbitrariamente, colocamos a foto do vestido nessa condição. O clique figura em praticamente todo portfolio de fotógrafo social: a peça de vestuário central da história do casamento captada momentos antes de a noiva vestir. Considerando que o vestido cerimonial irá aparecer na quase totalidade da cobertura, faz sentido fotografá-lo pairando fantasmagoricamente em alguma arara ou vão de porta?

Conversamos com alguns profissionais que optam por fazer esse tipo de foto e perguntamos qual a sua opinião a respeito: é um registro necessário ou um clichê? Veja o que eles têm a dizer sobre isso e como interpretam esse clássico da fotografia social:

MARCUS BERTHOLD

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Marcus Berthold_Retrato_Klaus Berthold“Eu não me importo se não fizer a foto do vestido, mas prefiro fazer. Acho que é um bom registro pra noiva, pras filhas da noiva. Em época de vestidos locados, é sempre bom se ter o registro. Antigamente, as noivas ficavam com os vestidos, podiam vê-los a toda hora. Hoje isso não acontece, as noivas têm que devolver o vestido pra loja”, observa Marcus Berthold, 31, fotógrafo em Montenegro (RS). Formado em administração de empresas, fã de fotografia, começou na carreira em 2012, assumindo a cobertura de pequenos eventos e formaturas. Este ano, largou a sociedade numa empresa de transporte de resíduos para se dedicar inteiramente à fotografia.

“Não acho que vá ser a principal foto do evento, ou uma das mais importantes, mas acho importante, pelo registro histórico”, Marcus retoma a conversa. Ele usa a foto que clicou no último sábado (25) como exemplo. “A noiva fez o próprio vestido, com a ajuda da mãe. Quer coisa mais emblemática? Achei sensacional”.

Marcus também conta que primeiro tirou umas fotos da peça no salão onde a noiva e as madrinhas se aprontavam. “Mas era apertado, aí ela deu a ideia de tirar dali. Aí que eu percebi o quão leve o vestido e a estrutura que segurava ele eram – senão eu mesmo já teria tirado de lá. Aí levamos pro corredor da casa onde fica o estúdio de maquiagem e fiz algumas fotos. Tenho inclusive uma foto da noiva arrumando o vestido” (ao lado).

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Marcus Berthold 1
Foto de Marcus Berthold: abertura f/1.8, velocidade 1/400 e ISO 2500. A lente usada foi uma Sigma 35mm

CAROL LOMBARDI

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Carol Lombardi_Retrato_Maicon Cruz“Para mim, é uma foto que não pode faltar na contação da história do casamento”, diz Carol Lombardi, 29, proprietária do estúdio Enjoy, em Brusque (SC). Fotógrafa profissional desde 2008, com trabalhos também nas áreas de ensaio feminino e de pets, Carol tem umas boas histórias sobre o figurino dos noivos para contar: “Uma vez, fotografei um casamento em Balneário [Camboriú] e, na semana seguinte, um casamento em São Paulo. Era o mesmo vestido. Na semana seguinte, fotografei um casamento em Itajaí. O ateliê teve um acidente com o vestido e a noiva teve que desesperadamente alugar outro. Advinha? O mesmo das duas semanas anteriores!”, relata a catarinense, que já chegou ao inusitado de emprestar o terno do seu segundo fotógrafo a um noivo esquecido, num casamento em Araras (RJ).

“A foto do vestido, apesar de clichê, é algo simbolicamente forte. É um traje especial, que inspira o misticismo do casamento. Muito trabalho, muitas provas, muitos ajustes e ansiedade até colocar o vestido pela última vez”, avalia.

Carol costuma confiar no “feeling” para fazer uma boa foto do vestido: “Gosto de levá-lo pra rua, mas nem sempre é possível. Alguns não são fotogênicos no cabide e você acaba clicando apenas uma parte. Outros precisam de movimento”.

É o caso da foto que ela nos mandou: “Era um dia lindo de sol, com um terraço incrível pra fotografar, um vestido nada fotogênico no cabide, mas que o vento fez o trabalho que precisava. Eu sabia que tinha luz de mais e que o sol acabaria com a minha foto. Então, coloquei o vestido na sombra e foi isso”.

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Carol Lombardi 1
Foto de Carol Lombardi: f/4.5, 1/2000, ISO 100. Câmera EOS 5D Mark II e lente 50mm

HEVERSON HENRIQUE

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Heverson Henrique_Retrato_Daianne Mota“É um clichê que eu gosto de fazer”, afirma Heverson Henrique, 27, de Brasília (DF). Fotógrafo há uma década, mas apenas há dois anos dedicado unicamente aos casamentos, Heverson aprecia o desafio de a cada cerimônia fazer uma leitura diferente da foto do vestido. O problema é quando a locação não ajuda: “Uma técnica que uso sempre é fotometrar no modo de medição pontual para não perder/estourar nenhum detalhe”, revela, lembrando também do cuidado necessário ao manusear a peça, para não sujá-la.

Ele também procura contextualizar o clique para personalizá-lo. “Algumas eu faço com luz natural, outras com flash e LEDs”. A que nos mandou Heverson descreve da seguinte forma: “A ideia era conseguir escurecer ao máximo o local, que era cheio de distrações e cores chamativas. Então, coloquei o vestido na porta que dava acesso ao quarto, e coloquei um flash remoto atrás para destacar os detalhes. Com ela em preto e branco, a ideia era aproveitar o espaço negativo para deixar a leitura da foto bem simples”.

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Heverson Henrique 1
Foto: de Heverson Henrique: f/4, 1/200, ISO 100. Câmera Nikon D600 e lente 24mm f/2.8

FLÁVIA VALSANI

Processed with VSCOcam with t1 preset“O principal desafio é encontrar um bom lugar para colocar o vestido”, destaca Flávia Valsani, 37, fotógrafa de São Paulo. “Na maior parte das vezes”, ela continua, “você não vai ter um cenário incrível para pendurar, nem toda noiva se sente confortável com fotos mirabolantes e, dependendo do vestido, nem sempre ele fica fotogênico pendurado”.

Flávia fotografa desde adolescente, mas, como profissional, já faz quase uma década. Com casamentos, começou em 2010, relutantemente: “Apenas no ano seguinte cheguei à conclusão de que dentro do meu estilo e do que eu entendia por casamento existia um mercado interessante”, explica.

Com um “background” de fotografia corporativa (que ela ainda desenvolve) e projetos na área documental, Flávia cobre apenas casamentos realizados de dia. “Tenho por filosofia uma fotografia de intimidade, delicadeza. Meu interesse é muito mais nas pessoas e suas emoções do que em superproduções e cenários”. Para ela, faz mais sentido fotografar o vestido no momento em que a noiva o coloca. “Esse é o momento mais especial para mim na cobertura em si. Eu curto bastante fazer a foto do vestido quando eu tenho possibilidades gráficas, seja ele na parede como uma obra de arte ou pendurado do lado de fora da janela em uma fazenda, ou balançando ao vento em uma árvore, mas não acho que ele é essencial na documentação fotográfica. Agora, sendo absolutamente honesta, apesar de não achar fundamental, nunca deixei de fazer a foto dele à espera da sua noiva”, reconhece.

Sua foto foi tirada no apartamento da noiva, uma arquiteta. “O cuidado estético com a casa era visível e a importância de elementos das artes plásticas não podia deixar de ser levado em consideração. Para mim ficou claro que o vestido deveria fazer parte desse universo e ser exposto como uma obra de arte. Escolhi pendurá-lo ao lado de uma das obras brasileiras mais importantes da arte contemporânea, o Abaporu, da Tarsila do Amaral. Afinal, o vestido também é uma obra de arte, da estilista brasileira Gisele Dias, da A Modista”.

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Flavia Valsani 1
Foto de Flávia Valsani: f/1.6, 1/250, ISO 640. Canon 5D Mark III e lente 50mm 1.2

KEITH IMAMURA

KeithÉ um “clichê clássico”, na opinião de Keith Imamura, 30, de Apucarana (PR). Profissional há cinco anos, ele começou a fotografar por hobby (leia mais a seu respeito aqui). Keith concorda que é importante valorizar o vestido, por toda a simbologia que envolve, por isso a fotografia precisa ser feita com cuidado e foco nos detalhes. “Portanto, na minha opinião, é obrigatório apenas fotografá-lo bem”.

O paranaense acha que é preciso conhecer a história do casal e olhar o vestido a partir dessa perspectiva, “não apenas como um vestido qualquer, mas a história e o momento que essa noiva irá viver com ele e só depois disso clicar. Acredito que ela irá amar ainda mais o seu vestido se você puder enxergar dessa forma, às vezes até complementando a imagem com algo importante para ela”.

A foto que Keith oferece remete a um encontro de gerações. Ele deu com o vestido da noiva pendurado ao lado do da mãe, que esta utilizou em seu próprio casamento há 30 anos. “Os vestidos ali parecia que faziam parte da decoração na parede. Não se tratava de uma foto ‘clichê’, aquilo ali era história, um valor sentimental imensurável para aquela família. Uma foto que não continha pessoas, mas continha parte da história delas, que conta e tem mais valor do que muitas fotos de rosto, por exemplo”, defende Imamura.

“Por isso que a diferença entre fotógrafos não está nos seus equipamentos e muitas vezes nem na sua técnica, pois técnica você aprende. O que faz a diferença é a maneira como você observa tudo ao seu redor. Essa é a verdadeira diferença entre todos nós. Cada um enxerga e se entrega às histórias do seus clientes de maneiras diferentes”, define.

iPhoto Channel_Vestido de noiva_Keith Imamura 1
Foto de Keith Imamura: f/5.6, ISO 1250. Câmera Nikon D800 e lente 24-70mm em 28mm. Flash SB900 rebatido e fora da câmera

 

poses-perfeitas

Sobre o autor

Alcides Mafra

Jornalista e colaborador do iPhoto Channel (alcidesmafra@iphotochannel.com.br)

4 comentários

Clique aqui para postar um comentário

  • Acho absolutamente necessário, não pode faltar na história a ser contada , como a colega bem disse , o duro é arrumar bons lugares para compor a cena e fujir do óbvio . Eu tenho uma foto que gosto muito de meu portfólio e que estou adotando , em vez de apenas pendurar o vestido, fazer com que a noiva ” converse ” com o vestido .

    Abçs a todos

  • Acho uma coisa ridícula fotografia ou vídeo do vestido. Desde quando o vestido tem valor fora do corpo da noiva, ele não nasce em arvores, não voa, e fora o perigo de estragar antes da cerimonia. Daqui 10 anos a noiva vai ter vergonha de mostrar tais cenas.

  • Considero o vestido da noiva uma indumentária que por si só simboliza uma mudança marcante em sua vida e que precisa ser retratado de forma marcante. Ao olhar o vestido a noiva enfim se dá conta de que agora um de seus melhores sonhos se torna realidade. Sua vida mudará e seus objetivos também. Talvez muitos estejam cansados de ver vestidos dependurados ao vento, mas para sua cliente, aquele é seu grande dia e seu vestido mais lindo. Clico.