Colunistas Dicas de Fotografia

Como sair da fotografia mental?

Foto feita com celular Motorola G4 Plus | Foto: Julio Cezar Braz

Fotografia Mental?! Sim, você leu certo! Seria algum tipo de nova tecnologia? Não, ainda não! Por enquanto não avançamos tanto assim, e infelizmente a fotografia mental só te diz uma coisa: que você não estava preparado!

Pois então? Trata-se do momento onde a lâmpada do nosso subconsciente acende e vemos uma cena fantástica e não temos a câmera à mão para registrar, e aquela tua foto que valeria milhões no futuro se foi e nem te deu tchau (observe os dólares com asinhas indo embora! hahah!).

Foto com celular Moto G4 | Foto: Alexandre Pereira
Foto com celular Moto G4 | Foto: Alexandre Pereira

Isso acontece nas melhores famílias, não se preocupe! Então, como se cura isso? Não há cura, porém é possível diminuir a dor do paciente que passa pelo trauma. Tenho 2 sugestões a seguir:

1. Câmeras Compactas

Sugiro que todo fotógrafo, principalmente os fotógrafos de rua e fotojornalistas, tenham sempre (sempre³³³!) uma câmera, nem que seja uma compacta comum daquelas que produz arquivo em JPEG, no bolso. É sério não importa se deixar no automático, desde que consiga captar a cena no momento que seja necessário. Às vezes, certos aspectos da técnica fotográfica são somente jogos de vaidade perdidos no caminho do objetivo principal. Portanto, não seja um escravo da técnica, mas também não use isso como desculpa pra deixar de evoluir.

2. Celulares

Mas Pedro, vivemos em um país onde a segurança pública não é das melhores e fica muito complicado sair com qualquer equipamento pra rua, o que fazer  então? Pois bem, carregamos cameras conosco desde que os celulares incorporaram essa tecnologia e, convenhamos, é muito mais leve e compacto que qualquer outra coisa.

Foto com celular Motorola EX 115 | Foto: Pedro Antonio Heinrich
Foto com celular Motorola EX 115 | Foto: Pedro Antonio Heinrich

Que tal começar praticar a tão bem falada MOBGRAFIA (Arte de Fotografar com o Celular)? Eu comecei a fotografar na rua com uma resolução máxima de 2 megapíxels e conseguia um bom resultado. Claro que não é necessário começar com algo tão precário, qualquer celular possui excelente qualidade e excelentes APPs de edição. É possível fazer fotos tão boas quanto com câmeras profissionais, porém é preciso frisar que existe um abismo imenso de limitações.

Inclusive já existem aplicativos que te ajudam a produzir as fotos no celular em RAW, o que facilita e ajuda muito na hora da edição. Vale lembrar que o período ideal pra se fotografar com o celular é de dia, com uma boa iluminação. Fotografar à noite com o celular vai te fazer entender/ver como a qualidade ainda é limitada. Vou deixar abaixo 4 ótimas opções de aplicativos que venho testando e aprovando:

1) Snapseed

2) LR ou PS

3) Pixlr

4) VSCO

É tão bom quando conseguimos dar vida para aquela imagem que estaria perdida no cotidiano do caos diário que isso vai se tornando um vício. Um bom fotógrafo sempre tem a sua câmera por perto, e é isso que diferencia um fotógrafo mental de um fotógrafo real. E, que tal um pouco de inspiração com fotos fantásticas feitas com o celular? 

Foto: Amanda Gatti
Foto: Amanda Gatti
Foto feita com a câmera compacta GE X5 | Foto: Pedro Antonio Heinrich
Foto feita com a câmera compacta GE X5 | Foto: Pedro Antonio Heinrich
Foto feita com a câmera compacta Olympus X560WP | Foto: Pedro Antonio Heinrich
Foto feita com a câmera compacta Olympus X560WP | Foto: Pedro Antonio Heinrich
Foto com celular Moto G4 | Foto: Alexandre Pereira

Sobre o autor

Pedro Antônio Heinrich

Pedro Antônio Heinrich

Pedro Antônio Heinrich é colunista do iPhoto Channel. Fotógrafo natural de Manaus/AM, fixou residência em Porto Alegre/RS e já participou de mais de 25 exposições na cidade, além de projeções na Lomography Gallery de Nova Iorque/EUA e diversos prêmios. Heinrich foi professor de Fotografia de Rua (Street Photo) na Escola Câmera Viajante, Repórter Fotográfico da coluna social do Jornal O Sul e contribui mensalmente com Agência Freelancer de Fotojornalismo e Jornal Já.

Adicionar um comentário

Clique aqui para postar um comentário