Carla Durante Colunistas Fotografia newborn

Fotografia newborn: quanto cobrar?

congresso de fotografia

Gustavo

A fotografia de recém-nascidos encanta. O estilo “newborn” vem ganhando cada vez mais espaço no mercado brasileiro e é assunto frequente nos congressos e feiras de fotografia. Cada vez mais profissionais se especializam nesse nicho específico, que atrai a curiosidade e o interesse até de quem não era fotógrafo e vê nessa área uma oportunidade de buscar algo novo como profissão. São todos bem-vindos!

Como falamos no post anterior, realmente fotografar bebês é algo mágico e encantador, o mercado é crescente e se mostra próspero, mas é preciso estar ciente de que se trata de uma atividade trabalhosa, embora não pareça à primeira vista, e que requer cuidados especiais, principalmente no que tange à segurança, conforto e ética com relação ao bebê.

Dito isso, podemos evoluir mais nossa conversa e começarmos a ver como é esse mercado em termos de valores, que serviços e produtos estão inclusos num “pacote de fotografia newborn”, quanto tempo dura uma sessão, que infraestrutura é necessária para a produção desse tipo de fotografia, entre outras coisas, para assim podermos ter uma base de quanto cobrar.

montagem_banner_newborn

Num mercado tão novo é natural que os clientes ainda não saibam quanto custa esse tipo de trabalho, pois não há termos de comparação. Assim, são os fotógrafos profissionais que vão aos poucos formando essa referência.

Bianca

Claro que – como em todas as outras áreas da fotografia – não há como “tabelar” os preços. Cada um deve se posicionar de tal forma que atinja o público com o qual pretende trabalhar. Isso varia muito de região para região do país, dentro dos estados também há diferenças de preços dependendo da cidade onde se atua, assim como o nível socioeconômico do cliente. Mas, num ponto em comum todos devemos chegar, pelo menos quem já experimentou fazer esse tipo de fotografia: não dá pra cobrar “baratinho”!

Esse é de fato um produto diferenciado e o tempo exigido para cada sessão, isto é, o trabalho que dá para fazer, deve ser valorizado, tanto pelo próprio profissional quanto pelo seu cliente. Mas já que estamos formando esse novo mercado, acredito que cabe ao profissional se posicionar. No entanto, é importante deixar claro: se o que se vai cobrar não é barato, ele deve ter qualidade! O que estou querendo dizer é que não se trata de cobrar “caro”, é preciso entender que tudo deve estar alinhado: valor, custos, especificidade do trabalho, cuidados, produção, qualidade fotográfica…

Então vamos apenas fazer uma lista, por alto, para ajudar a visualizar o que está em questão, para assim cada um poder tirar suas conclusões.

  • O fotógrafo que pretende atuar no mercado de fotografia newborn deve ter conhecimento técnico de fotografia e equipamento profissional ou pelo menos de “entrada” para garantir assim qualidade técnica e óptica das fotografias que irá vender.
  • Esse profissional deve estar ciente dos cuidados específicos com a segurança de um bebê recém-nascido: fazendo seu trabalho sempre em ambiente limpo, tranquilo, aquecido, e ter cuidados com a manipulação do bebê na hora de fazer as poses.
  • O estilo newborn é bem característico, mas pode ter suas variantes. De qualquer forma, por mais simples que seja, há a necessidade de certa produção: mantas para usar no fundo, props (que são os elementos de um cenário: baldinhos, cestos, bandeirolas, qualquer objeto que vá compor a cena), acessórios (gorrinhos, headbands, roupinhas), wraps (tecidos para embrulhar o bebê) etc.

Lucas

Não estranhem, por favor, o excesso de palavras em inglês. Junto com o estilo e sua própria nomenclatura, importamos alguns termos (props, wraps, layers…). Algo que aos mais nacionalistas causa arrepios, para nós, fotógrafos dessa área, acaba sendo recebido de forma natural e, digamos, globalizada, já que muitos produtos nós encontramos – por enquanto – apenas no mercado estrangeiro. Como os “wraps”, por exemplo: não se trata de um simples paninho ou fraldinha para embrulhar o bebê. O tecido é especial, possui uma elasticidade confortável que ao mesmo tempo segura o bebê, não aperta e nem faz marquinhas na sua pele delicada. Aconselho, inclusive, a adquirir uns dois ou três desse tecido. Invista primeiro em cores neutras, que sirvam para meninas e meninos, e depois, aos pouquinhos, vá incrementando sua produção. De qualquer forma, esse é um item que vale a pena investir.

  • Continuando, além de conhecimento, equipamentos e acessórios, é preciso lembrar que uma sessão com um bebê, na qual serão respeitadas suas pausas para a mãe dar de mamar, trocar a fralda e fazer o bebê dormir de forma tranquila e natural (sem, pelo-amor-de-Deus, jamais fazer uso de medicamentos relaxantes, chazinhos ou qualquer outra mandinga para que o bebê durma!), dura entre três a quatro horas. Talvez um pouco mais ou um pouco menos, dependendo do profissional, mas em média é algo por aí.
  • Lembre-se sempre: primeiro você montou tudo (os sets da fotografia), depois vai precisar desmontar, guardar os props e acessórios e lavar todos os tecidos que usou – quer o bebê tenha feito xixi ou cocô em cima dele ou não. Tudo deve estar sempre limpinho para a próxima sessão (lavar com sabão neutro ou específico para roupas de bebê – sem perfume).
  • Depois vem o trabalho da edição (escolha das fotos) e tratamento. Sim, as fotos devem ser tratadas. É assim que se faz profissionalmente com fotografia digital (o tratamento de fotografia faz parte do processo): ajustar brilho, saturação, correção de pele… tudo que achar que vai melhorar a qualidade da imagem final.
  • Os programas mais usados para isso são o Adobe Lightroom e Adobe Photoshop, entre outros. Daí, então, é preciso ter conhecimento desses softwares, bem como tê-los de forma legal (e não pirata!). Claro, você pode delegar essa etapa, terceirizar. Mas isso também terá um custo.

Daí, vocês já vão vendo quanto investimento! Mas ainda não terminou: como e o que exatamente você vai entregar?

  • Quantas fotos?
  • Arquivo digital ou só impresso?
  • Vai fazer fotolivro, álbum tradicional com fotos, outros produtos impressos?

Matheus_anjo

Isso tudo são variáveis que implicam o valor final do que chamamos de “pacote”, que, diga-se de passagem, vai além da sessão fotográfica em si.

Então… ufa!, deu pra sentir que não é pouca coisa e que não vale fazer a conta simples que alguns desavisados fazem: número xis de fotos dividido pelo valor total…

– Ah, puxa! – vão dizer – custa caro cada foto!

É errado esse jeito de pensar. Basta se lembrarem de tudo que leram acima. Não deixem seus clientes pensarem assim! Eduquem-nos. Isso cabe a nós, profissionais e formadores de opinião, criar um mercado justo, digno, coerente e valorizado. Tem que valer a pena!

Estamos fazendo com paixão, com carinho, com cuidado… mas vivemos disso. Então, precisa valer a pena. Se o cliente não pode pagar, paciência… talvez esse não seja o produto para ele. Não são todos, infelizmente, neste Brasil desigual, que vão poder ter um ensaio assim tão especial.

Luisa

Outro alerta para quem está começando: não cometa o erro de fazer baratinho porque ainda não está totalmente seguroda qualidade do seu trabalho e/ou está formando portfolio. Conselho: faça de graça!

Isso mesmo: faça pelo menos uns cinco ensaios de graça – para amigos ou conhecidos ou para quem não pode pagar.

Atenção: esses bebês não são “cobaias”! Faça apenas o que se sentir seguro e preparado para fazer, mas o fato de não cobrar vai aliviar a pressão sobre você e você vai conseguir a calma necessária para a produção desse tipo de fotografia. Além disso, é importante que você perceba que esse mercado funciona muito no boca a boca. Se fizer barato para um, para dois, para três, vai ser difícil mudar seu preço se o seu cliente vier por indicação. Não se trata de ser “mercenário”, e sim de cobrar o real valor, OK?

Essa ideia serve também para que os fotógrafos se ajudem. Se um cobra muito barato, vai acabar atrapalhando o entendimento do cliente e isso prejudica quem cobra de forma correta. Claro, são só conselhos… o mercado é livre!

Marina

Vamos só incrementar um pouquinho mais a lista acima para poder ajudar vocês a terem uma ideia do que entregar para o cliente. E isso por favor entendam que é de uma forma generalizada. Cada fotógrafo – em cada região do país – trabalha de forma um pouco diferente.

  • Primeira coisa a se entender: em fotografia newborn, devido ao trabalho e como é feito, não entregamos muitas fotos finais. Não é como fotografia de evento (aniversário, batizado ou mesmo o parto). Cada imagem é produzida, trabalhada. Assim, para cada produção (props, figurino ou pose), costumamos fazer de três a seis cliques, variando ângulos, distância focal e composição. Numa sessão às vezes dá para fazer umas cinco ou seis produções diferentes; às vezes dá para fazer só três!

Então, não é bom garantir que você vai entregar muitas fotos. Melhor prometer menos e, se você conseguiu mais fotos, entregue de presente ou cobrando extra (como achar melhor). Mas não prometa 80 fotos e acabe frustrando o cliente se não conseguir essa quantidade. Digo, entregue só fotos boas! Lindas! Não uma foto parecida com a outra para poder dar um número razoável. Foto “parecida” cansa, tira o peso da foto que está ótima. Assim, se tem três ou cinco fotos bem parecidas, escolha apenas uma!

Dessa forma, em média, um pacote de fotografia newborn contém de 20 a 30 fotos. Essas fotos podem ser entregues em alta resolução (com uma cópia dos mesmos arquivos em baixa), gravadas num DVD ou – como hoje alguns fotógrafos já o fazem – entregando numa pendrive, mais um fotolivro de 20 páginas.

Fiz uma pesquisa nos diversos mercados do Brasil e encontrei preços variando entre R$ 680 a R$ 2.500, mais ou menos. Claro que os valores mudam em função de como é o acabamento do fotolivro (que tipo de papel e impressão), quantas páginas o fotolivro vai ter, qual o tamanho das páginas, qual fornecedor o profissional usa, entre outras opções.

Bia

Então, dependendo do(s) produto(s) que é(são) entregue(s), os valores podem ultrapassar R$ 3 mil. Mas não deveriam nunca estar abaixo dos R$ 680, embora tenha encontrado algumas pessoas praticando preços de R$ 300 ou – pasmem – até menos!

Como disse, o mercado é livre. Não me cabe julgar. Cada um deve saber o que faz. A minha ideia aqui é apenas pincelar e esclarecer – pelo menos um pouquinho – como eu acredito que devemos nos posicionar e aos poucos formar um mercado coerente.

Procurei ter uma média de valores do Brasil. Mas é sempre bom saber que no geral os custos em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, são mais elevados, tudo custa mais caro nesses lugares (aluguel etc.), então é natural que os valores também o sejam.

Então é isso. Espero que tenha ajudado um pouquinho a ter um ponto de partida para a ideia de quanto cobrar pela fotografia newborn, lembrando que está longe da minha pretensão ser dona da verdade e também esperando um pouco para ver o que acontece, mas já procurando influenciar de forma positiva nesse mercado que está apenas começando. Vamos fazer dele um mercado próspero e duradouro aprendendo a dar-lhe o valor correto e justo?

foto_Carla_Durante

 

 

CARLA DURANTE é fotógrafa de recém-nascidos, gestantes e famílias e uma das fundadoras da Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos (ABFRN).

 

.

Sobre o autor

Carla Durante

CARLA DURANTE é fotógrafa de recém-nascidos, gestantes e famílias e uma das fundadoras da Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos (ABFRN). Ela é formada em Comunicação Social / Publicidade e Propaganda pelo Instituto Metodista de Ensino Superior no ano 1987. Trabalhou desde então em áreas ligadas à criação e arte.

51 comentários

Clique aqui para postar um comentário

  • Adorei. Voce foi bastante objetiva e ao mesmo tempo detalhou tudo o que eh necessario. Dessa maneira demonstra a sensibilidade necessaria a esse tipo de profissional.
    Parabens.
    bjx

  • olá, amei o post, ficou perfeito e as dicas ótimas, vc esta super certa, temos que valorizar pra este trabalho prosperar, estou iniciando agora no newborn, vc poderia dizer onde encontro as asinhas?? não acho em lugar nenhum, muito obrigada bjks

    • Oi Brunna,

      Obrigada.

      Sim, vamos procurar fazer de forma correta e sermos referência de fotografia newborn junto com países como EUA, Canadá, Nova Zelândia, Austrália!
      ..eu sonho alto, né???? rs rs

      As minhas asinhas comprei num site (não me lembro mais qual) que vi no ETSY (esquema parecido com o ELO7).
      Faça sua busca em “props”, “newborn”, “wings”, “angel”. Vai encontrar alguma coisa lá.

      Aqui no Brasil eu sei que a fotógrafa Graciele Aguiar está vendendo. Procure ela no facebook e então escreva para ela.

      bjos

  • Parabéns pelo texto, que ajuda muito, principalmente quem está iniciando. E as fotos são lindas, dispensam comentários.Admiro seu trabalho.
    Carla, aliás sou amiga de uma amiga sua, Lucille Kanzawa.
    Lembra? bjs

  • Maravilha de matéria, mais fiquei com uma duvida. Fotos fora dos estúdio não rola ? E se existe essa possibilidade, que tipos de cuidados devemos ter…

    Obrigado.

    • Oi Alberto,

      Obrigada, achei bastante interessante o link que vc sugeriu. Bacana dividir essa informação com os outros. Assim todos podem acessar e quanto mais bem informados estiverem melhor saberão construir sua estratégia de mkt e preços!

  • Adoro as suas matérias, você é muito experiente, suas fotos são fantásticas e o melhor, você não esconde o jogo! Parabéns. Tem que mencionar os custos com workshops, livros e as horas de leitura e aprendizado.
    beijo grande, sucesso!

  • Oi adorei suas fotos e o texto muito legal.
    Queria saber se vc poderia indicar um lugar para comprar os tecidos (wraps).
    muito obrigada e parabéns.

  • Achei sua matéria ótima!
    É uma pena muitos fotógrafos não lerem esse tipo de coisa, principalmente no tocante ao preço. Muitas vezes me sinto triste no meio desse mercado tão auto-desvalorizado, para não dizer, prostituído.
    Parabéns e muitíssimo obrigado.

  • Maneira clara de explicar esse tipo de fotografia que estou me encantando. Seu trabalho não poderia ser diferente do que vi.
    Parabéns e obrigada por compartilhar seu conhecimento e experiência.

  • Carlinha, parabéns pelo conteúdo bastante enriquecedor desse post!
    Como sempre, atenta a informações seguras e bem precisas, alertando quanto a grande responsabilidade assumida pelos profissionais na escolha desse segmento.
    Parabéns e um forte abraço!

  • Parabéns pela matéria, muito esclarecedora!!!
    Fotografia de newborn é linda, sou apaixonada, espero poder entrar bem nesse mercado de trabalho que tem arrancado tantos suspiros das mamães e dos papais…

  • Trabalho com fotografia infantil e me mudei para o interior. Eu era a única a fazer newborn em minha cidade. Agora a concorrência resolveu entrar nesse ramo (sem curso) e cobram 300,00.
    Isso me desanima, é muito desmotivador ver profissional fazendo isso apenas para atrapalhar quem entende do assunto!

  • As fotos são quase perfeitas. Quase… exceto por um enorme detalhe. Em todas as fotos a criança está de olhos fechados. Comecei a fazer esse tipo de foto há pouco tempo e observei que clicar a criança de olhos fechados dá uma sensação estranha, parece até que a criança está sem vida. Sei que é difícil clicar recém nascidos de olhos abertos, mas prefiro assim. Tenho muito mais trabalho, mas não entrego fotos de bebês de olhos fechados. Dá até um arrepio de ver… rsrsrs. Essa é minha opinião. Sucesso!

  • Muito interessante as dicas! Fiz algumas fotografias de festas infantis, gostei muito e estou me apaixonando pela Newborn! Toda a produção, criatividade e delicadeza que ela exige! Um encanto… Parabéns!

  • Adorei suas fotos. Estou fazendo um curso de newborn e também estou lendo o livro ” Fotografia de New born ” de Robin Long. Gostei muito dos seus comentários e bateu com meus pensamentos pois fiz um trabalho para uma ex-aluna (sou professor de matemática) de graça que ficou muito bom segundo fotógrafos amigos meus com anos de janela. Obrigado pelas dicas.

  • Carla, obrigada por compartilhar dessas informações, são super validas, estou querendo ingressar nesse ramo e estou buscando muitas informações e as suas já ajudaram demais. Obrigada. Bjs

  • Olá gostei muito da explicação que você passou,mim ajudou bastante, gostaria de saber se você tem o curso de newborn, e qual o valor estou em sao paulo ,desde ja agradeço.

  • Nossa amei este comentário, porque não dizer belíssimo curso de New Born? Parabéns, amo fotografar estou fazendo um curso na USB para começar a trabalhar e este curso me encanta vou muito! Obrigada!

  • Parabéns pelo excelente trabalho, minha amiga que prazer ler esta matéria, excelente esclarecimentos para todos aqueles que estão iniciando e também para aqueles que já são profissionais, obrigada por sua ajuda, sempre muito atenciosa e competente. Abraço amiga.

  • Estou iniciando minha carreira como fotografa de newborn, como todo mundo estou investindo, pesquisando e estudando muito. Fico muito feliz de encontrar matérias tão boas como essa, isso ajuda muito quem está começando e que lógico tem muitas dúvidas inclusive sobre quanto cobrar. Tive o prazer de participar do newborn photoconference esse ano e achei maravilhoso. Muito obrigada por fotógrafas tão maravilhosas como você dividirem com a gente seus conhecimentos e experiências. Parabéns pelo ótimo trabalho.

  • Carla, acompanho o seu trabalho e realmente a admiro.
    Porém, gostaria de colocar aqui minha opinião sobre os valores cobrados.
    Sei que alguns profissionais desvalorizam o trabalho dos fotógrafos ao cobrarem preços irrisórios, mas, cá prá nós, cobrar R$3.000,00 não é exagero? Claro, se seu público tem alto poder aquisitivo, ok. Mas essa não é a realidade do nosso país.
    Aqui em minha cidade tem fotógrafo cobrando 8, 9 mil reais para cobertura de casamento, mas paga 140, 150 reais para o fotógrafo free lancer fazer todo o trabalho. Isso não é desvalorizar, ou ainda, explorar a classe?
    Quanto à fotografia Newborn,acho que devemos cobrar realmente mais caro que outros trabalhos, devido à sua complexidade. Mas porque somente os ricos podem ter fotos de seus filhos recem nascidos?
    Em meu estudio tenho um plano de 6 fotos para aqueles que não podem pagar muito, mas que igualmente, estão curtindo seu bebê e gostariam de ter fotos de seu filho nessa fase. É muito gratificante ver a carinha de satisfação e alegria desses pais. Afinal, trabalhamos com emoção e isso é que dá sentido ao nosso trabalho.

  • Carla gostei muito das suas dicas, quero ver com vc se tem como tirar algumas dúvidas. Estou com muita vontade de entrar neste ramo, mas ainda não sei onde encontrar um curso específico e os acessórios necessário, onde encontro com preço mais acessível, onde tenho que ir para registrar meu negócio. Se você puder me ajudar tirando minhas duvidas ficarei muito grata. Abraço

  • Carla Durante, te conheci em um curso que fiz com Daniela Margotto. Estou muito feliz com suas dicas. Tem me ajudado muito mesmo. Obrigada por compartilhar seu conhecimento. Abraço

  • Adorei a matéria,Tudo muito bem esclarecido e a vontade de fotografar crianças só aumenta cada vez mais,muito obrigada é muito sucesso pra vc!















error: Content is protected !!