Tendência

5 filmes com a melhor fotografia do século 21

filmes com a melhor fotografia do século 21.

Além dos filmes vencedores do Oscar de Melhor Fotografia, que postamos recentemente aqui no iPhoto Channel, hoje vamos listar alguns filmes com uma fotografia excepcional, considerada por muitos críticos de cinema como os filmes com a melhor fotografia do século 21. Então, se você gosta de assistir filmes para alimentar seu olhar sobre iluminação, composição e direção, bora maratonar os 5 filmes abaixo neste findi na companhia de grandes atores como Joaquin Phoenix, Brad Pitt e Gary Oldman.

5. O Espião Que Sabia Demais (Tinker Tailor Soldier Spy)

O uso de uma lente de 2000mm para fazer as composições de algumas cenas, que de alguma forma nunca parecem um truque visual, é o grande diferencial desse filme. “Este filme exige do espectador atenção (não dá pra assistir comendo pipoca). As atuações são de se tirar o chapéu. Não me arependo de ter assistido, e acho que todos aquele que gostam de um filme inteligente e estão dispostos a pensar durante os 127 minutos de filme devem assistir”, disse um crítico de cinema.

Passado em 1973, em plena Guerra Fria, o longa gira em torno de George Smiley (Gary Oldman), um veterano da divisão de elite do serviço secreto inglês conhecida como Circo. Após a morte de seu ex-chefe e de alguns fracassos em missões internacionais, ele é chamado para desvendar um mistério sobre a identidade do agente duplo que, durante anos, trabalhou também para os soviéticos. Todos à sua volta são suspeitos, mas, como bons espiões que são, foram treinados para dissimular e trabalhar em condições de extrema tensão.

4. Guerra Fria

Indicado ao Oscar, filme polonês em preto e branco com bastante contraste se distingue ao narrar história simples de modo inovador. “Guerra Fria, do polonês Pawel é lindo, com uma técnica apuradíssima, roteiro contundente e boas atuações, o longa se encontra como um dos melhores filmes do ano. “Guerra Fria” conta uma historia de amor entre dois poloneses pós segunda guerra mundial, seus encontros em situações opostas, sua paixão proibida, descasos, romances e separações que giram em um período de quase 20 anos alinhados a ótima técnica de Pawel são os ingredientes perfeitos pra fazer um ótimo filme.

Um esmero fotográfico que utiliza o preto em branco com plena noção cinematográfica, é como estar vendo um filme dos anos 40, a utilização da filmagem em película contribui ainda mais pra sua beleza rustica e lúdica ao mesmo tempo. A dupla de atores estão muito bem no filme, tal qual seu diretor de fotografia, diretor e compositor que fazem um excelente trabalho que juntos compõem um filme diferente, ousado, delicado e cruel. Um deleite cinematográfico.

3. Era Uma Vez em NY

Apontado por muitos como um dos diretores mais promissores do século XXI, especialmente devido ao seu trabalho à frente dos pequenos e bons Amantes e Os Donos da Noite, James Gray é daqueles casos que cresceram à margem do cinemão produzido em Hollywood. Seus filmes costumam ter um toque autoral no estilo de narrativa, favorecendo a fotografia e a direção de arte.

“O filme mostra uma Imigrante polonesa (Marion Cotillard – Star) que tenta ingressar com a irmã nos EUA e acaba sendo aliciada por um cafetão (Joaquin Phoenix), que a obriga a se prostituir para pagar sua divida e ajudar a irmã. No decorrer da narrativa ela conhece um mágico (Jeremy Renner), que é primo cafetão e acaba gerando desentendimentos entre os dois. O longa retrata a realidade dos estrangeiros na cidade de Nova York, no início do século XX, principalmente das mulheres solteiras e sem família. Com uma belíssima fotografia e uma dissecação das relações familiares e sociais da época, o longa-metragem é uma ótima opção para quem gosta de produções que fogem do circuito de cinema comercial”, disse um crítico de cinema.

2. Árvore da Vida

Um poema visual contado com luz. “A Árvore da Vida é para poucos. Mas, sem dúvida, é o melhor trabalho de Terrence Malick e um dos melhores filmes da história do cinema. Quando digo que o filme não é para qualquer um não estou insinuando que foi feito para pessoas inteligentes ou cultas. É preciso ser sensível, ter a capacidade de mergulhar nas emoções e nas sensações que o filme provoca para se entender, ou melhor, para se perceber o filme”, disse um analista sobre o filme. Os O’Brien (Brad Pitt e Jessica Chastain) tiveram três filhos, criados com grande rigidez pelo pai. O mais velho deles, Jack (Sean Penn), sempre teve atritos com o pai, em parte por reconhecer em si mesmo um pouco dele. Além disto, já adulto, Jack enfrenta um forte sentimento de culpa devido à morte de seu irmão.

1. O Assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford

Tão lindo de se ver quanto doloroso de contemplar, o faroeste tem a aparência de uma fotografia desbotada – borrada nas bordas, nebulosa com o tempo, mas ainda vívida em seus detalhes e texturas. A sequência do roubo do trem pode ser a mais impressionante, mas vale a pena colocar cada quadro do filme em um quadro real e pendurar na parede. Carismático e imprevisível, Jesse James (Brad Pitt) foi o mais notório fora-da-lei da América. Ele planejava mais um de seus grandes assaltos quando soube que seus inimigos, ávidos por glória e fortuna, haviam se lançado numa corrida em sua captura. James declara guerra a todos eles. No entanto não poderia imaginar que a maior ameaça à sua vida viria de um dos homens em que mais confiava.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *