Sem categoria

Foto com iphone: registro sorrateiro do cotidiano

Black Friday Antecipada

Nem tudo são amenidades no mundo das plataformas de captura digital. Sim, iphones e ipads servem para o registro banal do cotidiano, num clica-e-posta interminável que congrega adolescentes e adultos, o mais novo apêndice indispensável das relações sociais. Mas também dá para levar muito a sério as capacidades de dispositivos que têm como principal virtude a discrição.

IMG_1212

Entre os que se beneficiam desses atributos – seja para pesquisa, expressão artística ou mesmo trabalhos comissionados – está o paranaense Roberto Svolenski. Professor da área de comunicação social, 41 anos de idade, natural de Curitiba, Roberto é egresso do vídeo – já realizou documentários e participou de festivais – e há algum tempo vem colecionando imagens com seu iphone.

“Desde quando estudei cinema e artes visuais, a imagem sempre me fascinou, ou seja, sempre gostei de produzir imagens usando os recursos que estavam disponíveis para mim no momento. Uma vez que produzir filmes em película ainda era muito caro, optei por trabalhar com o vídeo, por ser muito mais em conta, e isso fez com que eu me interessasse por essas imagens muitas vezes ‘descartadas’, por serem consideradas ruins para a reprodução em uma tela grande”, conta, acrescentando que começou a praticar fotografia pelo que ela tem de oposto ao vídeo: o fato de a imagem se apresentar estática e, com isso, cativar a atenção do espectador em direção aos seus detalhes.

“Dentro desse estudo, comecei a produzir e analisar o impacto que as imagens digitais têm sobre o nosso dia a dia, principalmente com a facilidade de acesso a dispositivos portáteis para fazer esse registro”, segue explicando. A razão, naturalmente, está no fato de que um celular com câmera está sempre à mão, é pequeno e fácil de carregar – e não parece um intruso em nenhuma situação. É perfeito para a matéria de interesse do curitibano: o cotidiano, que, para ele, está repleto de pequenas belezas que costumamos não dar a devida atenção. “Um processo de significação é construído a partir do momento em que re-enquadramos uma determinada cena. Uma parte pelo todo”, diz. Suas capturas são apresentadas em preto e branco – uma referência ao Expressionismo – e apenas retocadas com os aplicativos nativos do celular. Completa seu instrumental um jogo de quatro lentes próprias para aparelhos celulares. “Essas lentes foram adquiridas quando percebi a necessidade de usar adaptadores para a câmera fotográfica do iPhone 5. Usava outro celular, porém sem o resultado que gostaria de obter”, informa.

IMG_2112

Eu 2014
Roberto Svolenski: fotos de celular podem ser tão boas quanto as feitas com equipamento profissional

O professor argumenta que o processo, para ser válido, precisa levar em conta as especificidades técnicas de cada suporte. Ou seja, não dá para usar um iphone como se fosse uma câmera DSLR: “É como o vídeo e o cinema. Não posso utilizar um suporte como o vídeo para registrar algo que somente a película poderá fazer, mesmo sabendo que, com a tecnologia, o vídeo se aproximou do cinema. Talvez devamos estabelecer categorias e aceitar que determinadas imagens registradas com celular podem ser tão boas quanto as captadas por equipamentos profissionais”, propõe.

Apesar disso, ele observa certa resistência à sua opção técnica, evidenciada pela dificuldade em arranjar locais para expor: “Consideram que a fotografia registrada usando esse dispositivo não é digna de ser exposta por não ter sido utilizado equipamento profissional. Mas em todos os momentos esbarramos com esse tipo de questionamento e devemos entender e buscar um diferencial para apresentar ao público essa forma de ver e utilizar esse objeto do nosso cotidiano”, relativiza. Seus planos também incluem publicar as imagens no formato de fotolivro: “Como as imagens são produzidas a partir de um celular, a impressão dessas fotos sofre um pouco com a qualidade. No momento, estou testando todas as possibilidades de impressão, envolvendo tamanho e suporte para uma exposição e também em processo de desenvolvimento de um e-book com essas imagens, pois, se o suporte está sendo o digital, nada melhor do que a divulgação nesse processo”.

Como beneficiário desse expediente, o curitibano não vê a banalização do ato de fotografar, promovida pelos dispositivos móveis, como algo ruim. Ele assume isso como um necessário registro dos nossos dias que será legado à posteridade. “Mas também acredito que é possível estudar, analisar e aplicar um conceito criativo sobre esse tipo de dispositivo que utilizamos no cotidiano”, ressalva, destacando entre seus referenciais expoentes da fotografia tradicional como Cartier-Bresson e Diane Arbus. “Percebo que é necessário um conceito e um foco nos objetivos traçados ao longo desse estudo. Quero dizer, tudo o que produzo não é resultado apenas de um determinado período de estudo, mas sim de todo um histórico pessoal e visual que carrego e transformo em imagens, usando o celular como extensão do meu olhar”, avalia.

IMG_1626

IMG_2352

IMG_1282

IMG_2529

IMG_2455

IMG_1870

banner-poses-perfeitas


Assine nossa newsletter e fique informado :)

Alcides Mafra

Alcides Mafra

Jornalista e colaborador do iPhoto Channel ([email protected])

1 comentário

Clique aqui para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba as novidades por e-mail