Fotopédia Mestres

Sebastião Salgado faz 74 anos; conheça a trajetória do mestre da fotografia

Foto: Sean Gallup/Getty Images
Livro de Fotografia Poses Perfeitas

Há 74 anos, em 1944, nascia em Conceição do Capim, Aimoré/MG, Sebastião Ribeiro Salgado Júnior, que viria a se tornar um dos maiores fotodocumentaristas do mundo. Em 1964, o jovem mineiro graduou-se em Economia pela Universidade Federal do Espírito Santo e em seguida realizou pós-graduação na Universidade de São Paulo. No mesmo ano, casou-se com a pianista Lélia Deluiz Wanick, com quem teve dois filhos, Juliano e Rodrigo. Em 1968, trabalhou no Ministério da Economia.

Em 1969, engajados no movimento de esquerda em plena Ditadura Militar no Brasil, Salgado e Lélia emigraram para Paris. Em 1971, ele concluiu seu doutorado e passou a trabalhar como secretário para a Organização Internacional do Café (OIC) enquanto Lélia estudava arquitetura. Foi durante as viagens de trabalho para a África que realizou sua primeira sessão de fotos com uma Leica que pertencia à Lélia. Em 1973, retornam a Paris e Salgado passa a se dedicar totalmente à fotografia.

Sebastião Salgado e Lélia Wanick | Foto: Arquivo pessoal

A carreira como fotojornalista começou trabalhando para as agências de fotografia Gamma e Sygma. Entrando para a agência Gamma, em 1974, realizou uma série de imagens sobre a Revolução dos Cravos em Portugal e a guerra civil em Angola e Moçambique. Na agência Sygma (1975-1979), viajou por mais de 20 países da Europa, África e América Latina, cobrindo vários eventos. Em 1979, tornou-se membro da renomada agência Magnum, fundada em 1947 por Robert Capa e Henri Cartier-Bresson, entre outros.

Em 1986, publicou o livro “Autres Ameriques” sobre camponeses na América Latina. No mesmo ano, passou a trabalhar para a Organização Humanitária Médicos sem Fonteiras. Salgado retratou durante 15 meses os refugiados da seca e o trabalho dos médicos e enfermeiros voluntários na região africana de Sahel da Etiópia, Sudão, Chade e Mali. As fotos resultaram no livro “Sahel – L’Homme en Détresse”. A série “Workers”, sobre trabalhadores em escala mundial, entre 1987 a 1992, correu o mundo em exposição.

Entre 1993 e 1999, Salgado dedicou-se a retratar a emigração massiva de pessoas no mundo todo, dando origem às obras “Êxodos” e “Retratos de Crianças do Êxodo”, em 2000, ambos alcançando grande sucesso mundial. No ano seguinte, no dia 3 de abril de 2001, Salgado foi indicado para ser representante especial do UNICEF. Em colaboração com a entidade internacional, o fotógrafo doou os direitos de reprodução de várias fotografias suas para o Movimento Global pela Criança.

Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado

Gênesis

Em 2013, Salgado apresentou os resultados do seu ambicioso projeto “Gênesis”, que impressionou pela escala monumental e o apurado uso do preto e branco. Nele, o fotógrafo visitou as regiões mais afastadas do contato com o homem civilizado, por mais de 30 países. Ao longo de oito anos, ele conviveu com tribos de costumes ancestrais e viu paisagens que poucos tiveram a oportunidade de conhecer.

Além da exposição fotográfica que rodou o Brasil e o mundo, apresentando cerca de 250 fotos, o projeto contempla o livro de mesmo nome. Publicado pela Taschen, com 520 páginas o livro tem 33,50 x 24,30 cm e pesa 4 kg. O projeto conta ainda com um documentário, “A Sombra e a Luz”, dirigido pelo cineasta alemão Win Wenders, com colaboração do filho do fotógrafo, Juliano Salgado.

“Gênesis” representou algumas mudanças na trajetória do fotógrafo brasileiro. Pela primeira vez, Salgado registrou imagens de animais e de paisagens naturais. Uma decisão que ele atribuiu à profunda desolação em que afundou ao cobrir o genocídio em Ruanda, em 1994, durante o qual pelo menos 800 mil pessoas foram assassinadas. Parte das fotos que retratam os efeitos do genocídio compõem o livro “Êxodos”.

Sebastião Salgado e a edição de luxo de “Genesis”, encadernado em couro e tecido, com 46,7 x 70,1 cm

Outra mudança foi que o projeto marcou a adesão de Sebastião Salgado ao digital. Uma transição forçada, uma vez que já não suportava mais os transtornos causados pelos aparelhos de raios-x dos aeroportos. Porém, apesar de adotar a nova tecnologia, continuou fotografando do mesmo jeito que fazia com filme, editando as fotos do projeto em folhas de contato, com lupa.

“Suas imagens agradavelmente em preto e branco são compostas com muita minúcia, são dramaticamente teatrais e apresentam um uso da luz semelhante ao da pintura”, escreve a jornalista Susie Linfield.

Foto: Sebastião Salgado
Foto: Sebastião Salgado

Cavaleiro Sebastião Salgado

Em 2016, Sebastião Salgado foi nomeado cavaleiro da Légion d’Honneur, honraria concedida pelo governo francês a personalidades de destaque, desde os tempos de Napoleão. No ano seguinte, o fotógrafo tornou-se o primeiro brasileiro a integrar a Academia de Belas Artes da França, instituição que tem origem no século XVII e uma das cinco academias que compõem o Institut de France, templo da excelência francesa nas artes e nas ciências.


Assine nossa newsletter e fique informado :)

Cid Costa Neto

Cid Costa Neto

Cid Costa Neto é redator do iPhoto Channel. Natural de Belo Horizonte, é bacharel em Artes Plásticas com habilitação em Fotografia e pós-graduando em Jornalismo Digital. Atua como Fotógrafo, Professor e Programador Visual.

Adicione um comentário

Clique aqui para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Livro Poses Perfeitas

Receba as novidades por e-mail












error: Content is protected !!