Fotografia documental Retrato

Tatuagens culturais ficam invisíveis nas fotografias em colódio úmido

Fotos: Michael Bradley
Livro de Fotografia Poses Perfeitas

Um fotógrafo encontrou uma maneira incrivelmente interessante de capturar e homenagear a arte das tatuagens faciais da cultura nativa da Nova Zelândia, os maori. Usando o processo de colódio úmido, os sujeitos parecem ter sua tinta magicamente removida em retratos colocados ao lado de fotos digitais modernas, criando um surreal antes e depois do efeito.

Os desenhos de rosto permanente são chamados tā moko. Há uma história muito rica e querida desta tradição. Na cultura maori, acredita-se que todo mundo tem um tā moko sob a pele, apenas esperando para ser revelado ao mundo. Os membros da sociedade sem as marcas eram considerados de menor status social. Receber o moko era um marco importante para se tornar um adulto. Também era desejável porque se acreditava que eles se tornavam mais atraentes para o sexo oposto.

Fotos: Michael Bradley

Tradicionalmente, os desenhos eram marcados na pele usando uma ferramenta chamada uhi, em vez de ser perfurado como uma moderna tatuagem feita com tinta. Isso significa que embora o pigmento da tinta pareça invisível nas históricas fotos de colódio molhado, você ainda pode ver a textura e os sulcos feitos pelas ferramentas de aplicação se você olhar bem de perto. A maioria dos maori vai optar pela conveniência e eficácia das ferramentas de tatuagem hoje em dia, então o desaparecimento é drástico.

O fotojornalista Michael Bradley soube da tradição cultural e de como tudo estava perdido depois da colonização européia na década de 1850. Os únicos registros fotográficos não mostravam tatuagens, exceto aquelas adicionadas previamente com maquiagem ou depois, desenhando na própria foto com caneta ou lápis. Ele ficou fascinado com a maneira como o desbotamento das tatuagens nas impressões de colódio úmido refletia a proeminência das tradições na cultura. Com o passar do tempo, cada vez menos maori estavam usando as marcas enquanto tentavam se encaixar na nova sociedade ao redor deles.

Fotos: Michael Bradley

Felizmente, o ato de obter o tā moko voltou e a arte está passando por uma revitalização. Bradley simpatizou com a luta para preservar um elemento importante da cultura maori e encontrou um truque maravilhoso para exibi-lo de uma maneira única. Seu projeto é chamado de “Puaki“, que significa “sair, mostrar-se, abrir-se, emergir, revelar, dar testemunho”.

Essa série forma um importante documentário social das pessoas que optam por vestir orgulhosamente o moko hoje abraçando sua história e apresentando uma das muitas tradições ameaçadas que ainda se mantêm fortes na sociedade moderna de hoje. 23 participantes têm seus retratos mostrados lado a lado. Impressões em colódio úmido tiradas com uma câmera de 85 anos foram exibidas à esquerda e uma foto capturada em uma câmera moderna à direita. Sendo um fotojornalista treinado, Bradley achava importante que os retratos fossem o mais autênticos possível. Por esta razão, cada sujeito foi capaz de selecionar sua própria roupa e pose.

Fotos: Michael Bradley

Para conhecer mais sobre o trabalho de Bradley, acesse seu siteFacebookTwitter ou Instagram.

Fonte: Fstoppers


Assine nossa newsletter e fique informado :)

Cid Costa Neto

Cid Costa Neto

Cid Costa Neto é redator do iPhoto Channel. Natural de Belo Horizonte, é bacharel em Artes Plásticas com habilitação em Fotografia e pós-graduando em Jornalismo Digital. Atua como Fotógrafo, Professor e Programador Visual.

Adicione um comentário

Clique aqui para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Livro Poses Perfeitas

Receba as novidades por e-mail












error: Content is protected !!