Colunistas Nu e Sensual

A arte das coisas pela fotografia: o gosto (NSFW)

"fuck you", por João de Castro
Black Friday Antecipada

“O gênio e o gosto não vão juntos” – Helmut Newton

Assim começa o dilema do autor de como e se inovar ou mesmo apenas se atirar de cabeça e fazer…

“Eu odeio o bom gosto. É o pior que pode acontecer com uma pessoa criativa.” – Helmut Newton.

… piora, piora substancialmente. E agora? Como ter estética e não ter gosto? Estética?

Quando comecei a fotografar, em 1985, logo no meu primeiro trabalho tive a sorte de ter como diretor criativo e mestre do gosto António Alijó. Pintor, escritor, decorador, cenógrafo, louco militante e provocador de vocação, deu-me a conhecer profissionalmente o gosto que tanto defendia. Costumava dizer: “Não há pessoas sem gosto, porque senão dávamos-lhe um. Há é pessoas com muito gosto, mas muito mau”.

Esta frase acompanhou o meu trabalho e humor por muito tempo e foi o alicerce de muitos trabalhos.

“wave of love”, por João de Castro

Mas… Um dia acordei, perfeitamente aplaudido e reconhecido pelo meu trabalho, sentindo-me vazio… E pior, preso. Aquelas belas fotos possuíam-me e não me deixavam querer mais ou diferente. Tinha criado um bom gosto intenso e a minha vida à imagem das minhas imagens. A minha musa não podia ser humana, eu era um fotógrafo cheio de look e atitude, todas as modelos tinham de ser modelos… E mais uma série de disparates, egos e gostos.

Em perfeita crise, cheguei a acreditar que todo o meu mundo estava errado e que na realidade aquelas fotos eram apenas habilidades de extrema qualidade, em vez de almas e tempo.

“muse”, por João de Castro

Recuando à minha infância, está Helmut Newton, pois pela minha casa havia sempre na mesa da sala uma revista da Photo Francesa, onde o seu trabalho me enfeitiçava e hipnotizava. A ajudar, a minha mãe era linda e sempre muito ao bom gosto. Eu não tinha nenhum interesse por pegar numa câmera fotográfica, mas estava formado o fotógrafo com gosto que vim a ser mais tarde. Dilema de novo… Se para mim tudo tinha gosto e Helmut era um dos grandes responsáveis, como sair disso e ver as suas palavras?

Não sei… Nada disto aconteceu de uma forma consciente e só muito mais tarde constatei o que aconteceu. Explodi e avancei. Perdi o gosto e abracei a paixão. Provoquei-me (provocador, o Helmut), provoquem(-se) e acontece.

“le sexe”, por João de Castro

Assine nossa newsletter e fique informado :)

João de Castro

João de Castro

“Nasci do outro lado do mundo, da lua dizem alguns.”
Ser humano desde 1964, poeta fotógrafo professor desde 1985.
www.joaodecastro.com

Adicione um comentário

Clique aqui para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba as novidades por e-mail