Colunistas Fotografia contemporânea

A arte das coisas pela fotografia: Estrelo um ovo (NSFW)

"medusa", por João de Castro
Fotografia de gestantes em estúdio

Há bons e maus… mas não deixam de ser ovos.

A arte tem padrões e realidades, gostos e regras, como tudo. A ideia de que a arte não pode ser julgada e pertence a um estado superior de (in)compreensão, não encaixa em nenhuma teoria de comunicação e muito menos na sua prática.

“starry egg”, por João de Castro

Na realidade a arte deve ser julgada. Senão, para que serve? Se a arte, do que aqui falamos, fotográfica, não se preocupa em atingir a comunicação com o receptor, ser estética ou dar corpo a uma ideia definida, é inútil. E má… apesar do pudor de se dizer que determinada obra é má ou apenas uma masturbação artística do seu autor, muitos receptores, público, dessa arte fica na mesma depois de ser exposto às obras. Pior, fica com a sensação de que a sua insensibilidade e estupidez o privam de algo tão fantástico.

É certo que a arte tem sempre de ser vista à luz do seu tempo e enquadramento histórico, representando a sua época ou o quebrar da mesma. No entanto, a cada tempo e no próprio tempo da obra, a sua utilidade tem de se revelar, senão será um oco e mentiroso testemunho, memória, de algo que acreditaremos ter sido entendido e influente, em algum tempo. Cultura forçada e falsa história dos tempos.

“medusa”, por João de Castro

O direito soberano do autor em produzir livremente trabalho, seja ele comunicação eficaz ou masturbações relevantes, nunca deve ser posto em causa… assim como o dos receptores em julgarem e recusarem. A obra de arte funciona por camadas, extratos de comunicação indicativos e indicadores das mensagens, pelo que diferentes níveis de sensibilidade e educação, cultura, atingem diferentes resultados de compreensão e satisfação. É certo que quanto mais alto é o nível de execução do fotógrafo, comunicação, codificação, mais camadas terá cada trabalho seu e maior será a sua frustração, pois das imensas camadas da sua obra, pouco público as verão a todas. Mas essa é uma realidade comum a todas as artes, sensibilidades e comunicação, não justificando, como muito se faz, que a má obra não se entende porque o público não está preparado…

Se é certo que há muitos palatos e paladares e muitos com pouco gosto, seja o ovo estrelado divino ou apenas frugal… terá de saber a ovo estrelado, a todos.

“nature”, por João de Castro

 


Assine nossa newsletter e fique informado :)

Livro - Fotografia de Bebês
João de Castro

João de Castro

“Nasci do outro lado do mundo, da lua dizem alguns.”
Ser humano desde 1964, poeta fotógrafo professor desde 1985.
www.joaodecastro.com

Adicione um comentário

Clique aqui para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como aprender mais fotografia…

Selected Title

Receba as novidades por e-mail